Tag: Scicastpodcast

Dia do Podcast 2015!!!!

Rock ON!!!

Aqui é Priss Guerrero e hoje quero falar sobre Podcast. Sei que o Lucas Bahamut já falou sobre o assunto aqui no Rock Me ON, contudo, informo que minha abordagem será bem diferente. Não vou explicar o que é, vou falar quais eu ouço e porque.

E só explicando a imagem de chamada é minha mãe, a Mamãe Freak e o Marcos Keller, o Bruxão do Mundo Freak.

Vou listá-los em ordem alfabética, porque precisa ter uma ordem? Sim, só por isso.

diaDoPodcast

Anticast

Comecei a ouvir por que gosto de Design, é uma das minhas formações, ora bolas! E o Anticast, mesmo falando sobre outros assuntos, sempre me fornece alguma visão sobre a área e agrega algum conhecimento.

Canal 42

Adoro séries, mas não posso acompanhar todas. Este podcast me ajuda a selecionar algumas séries para assistir, a relembrar coisas que séries que acompanho e a tomar conhecimento de séries que não pretendo ver. Puro entretenimento, eu me divirto, fico feliz ao ouví-los.

Cinema com Rapadura

AMOOOOO cinema. Sim, é verdade, eu ainda saio de casa e vou ao cinema. Mesmo que isso tenha se tornado um pouco ruim, por conta das pessoas que não sabem desligar o maldito celular e ficam mandando mensagens enquanto a gente tenta ver  o filme. Gosto do Cinema com Rapadura por conta da visão equilibrada que eles têm sobre as produções. Mesmo àquelas que não gostei, costumo ouvir sobre para conhecer a opinião deles e isso é bom. Adoro a equipe toda e suas peculiaridades.

Cronocast

Este é novo e tenho gostado bastante. Tratam sobre história, de um modo bem divertido e interessante. São professores de história e é bacana acompanhar essa visão do professor sobre o tema. Bom, sou suspeita, pois sempre gostei muito de história.

Escriba Café

A edição de áudio é muito boa e por isso mesmo há um intervalo muito grande em um episódio e outro, mesmo assim, aguardo com ansiedade cada um deles. A pesquisa é ótima, o conteúdo passado muito bom, é um audiodrama sobre história, personalidades, acontecimentos e como disse, adoro história.

Grande Coisa

Comecei a ouvir este podcast há pouco tempo e já me apaixonei pelo formato, um papo descontraído, divertido, muito divertido mesmo, emocionante e genial. Eles me divertem muito e agregam muito conhecimento. Já risquei a Austrália da minha lista de lugares para conhecer.

Mixtape

Esse é novinho, recém-nascido na minha lista, mas é muito interessante e gostei do formato. Eles falam sobre música e temas relacionados, enfim, tem música, o Mixtape está lá e adoro música, muito mesmo, notaram pelo nome do site? Rock Me ON!!!! Desculpem se acharam que eu gostava de geologia. (também gosto, ok? rs)

Mundo Freak

O podcast que me inspira a desenhar, sério, adoro desenhar e as histórias misteriosas e causos sinistros deste podcast me inspiram muito e foi graças ao Dia do Podcast, que esse ornitorrinco branco bateu em minha Time Line para ficar para sempre! E já até participei de duas leituras de email, que honra!!! Aproveito para deixar parabéns pelos 3 aninhos de existência e que continue cada vez mais, seja longevo! Se você gosta de mistérios, conspirações, fantasmas, aliens, este é o lugar, seja freak!

Nerdcast

Este podcast é especial. Não foi o primeiro que ouvi, o primeiro foi um Radiofobia, mas foi o podcast que me fez sentir parte de algo maior e mesmo tendo alguns temas que não concorde, o Nerdcast me fez muito bem, esquecer problemas e acreditar em soluções. Só tenho a agradecer pelos momentos de diversão, risadas e reflexões.

Papo Lendário

Esse podcast é um dos mais sérios que ouço, sobre mitologia e humanidades. Talvez eu deva dizer comportamento humano, não sei; só sei que este me trouxe muitas coisas boas, alguns amigos bacanas e boas horas de entretenimento e conhecimento. Além de uma nova visão sobre mitologias e novos mitos para conhecer.

Projeto Humanos

Este é novo e fez um excelente trabalho entrevistando uma sobrevivente do holocausto na Segunda Guerra Mundial. Causou comoção, emoção, empatia, agregou conhecimento, trouxe uma nova visão sobre os fatos ocorridos e um quê de esperança, de perdão e indignação com a raça humana.

Promontóril Estéril

Na pegada do Escriba Café, o foco é biografia de personalidades e a periodicidade é mais curta, bem como a duração de cada episódio, mesmo assim, o conteúdo é engrandecedor e é muito bom conhecer personalidades mais a fundo, como Chiquinha Gonzaga, por exemplo. Este conheci por causa do Temacast.

Radiofobia

O primeiro podcast que ouvi, Radiofobia. E nem lembro como cheguei até ele, mas acredito que tenha sido pelo Twitter. Este podcast tem um leque de outros que amo: Alô Ténica, Radiofobia Classics, especiais com dubladores, o trabalho do Léo Lopes é lindo e maravilhoso. Recentemente tive oportunidade de conhecê-lo e foi incrível! Radiofobia mora no meu coração, a partir dele conheci o Nerdcast e por conta da promoção do dia do podcast, veio o Mundo Freak e todos os outros. Radiofobia é amor.

Scicastpodcast

Porque a ciência tem que ser divertida. Quem não gosta de ciência? Muita gente, infelizmente. Mas eu gosto e o Scicast é aquele amigo do trânsito, gosto de ouvir enquanto dirijo longos percursos, porque o Scicast tem o poder de fazer o stress do trânsito de SP desaparecer. Através desse podcast fiz ótimos amigos também, o Lucas é um deles! A ciência mostrada nesse podcast é tratada de um jeito simples, divertido mesmo, com especialistas de várias áreas e meus favoritos, são, claro, os de história. Não é um podcast didático, isto é, não é um cursinho pré-vestibular, não, é um programa sobre ciências, sejam elas físicas, químicas, biológicas, humanas etc. E é muito divertido sim.

Telhacast

Este terminou recentemente, mal o descobri e já terminou. Mas baixei todos e tenho no computador, preciso ouvir ainda. Mas o pouco que apreciei, achei genial! Especialmente os episódios sobre ET de Varginha. Esse podcast deixa saudades.

Temacast

Cheguei aqui por causa do Scicastpodcast, quando o grupo do Amigos do Pause era um bom lugar e o professor Barbado colocou uma chamadinha sobre um episódio sobre o Barão de Mauá. A temática base é história e do Brasil, feito com uma pauta impecável e maravilhosa, além de uma edição muito profissional e muito boa, ora! Este me trouxe dois bons amigos, o Seixas e o Igor, além de bons momentos ouvindo os programas.

 

Bom, pessoal, estes são os podcasts que eu ouço e os motivos pelos quais eu faço isso. Geralmente ouço durante o trabalho, pois minhas tarefas são mecânicas e me permitem fazer isso. Também ouço dirigindo ou em longas viagens.

Minha mãe também gosta de ouvir comigo e os podcasts nos aproximou mais e  isso é muito bom, não é? Tanto que ela é a famosa Mamãe Freak, apelido carinhosamente dado pela galera do Mundo Freak, pois ela é ouvinte fiel deste podcast e de todos os outros dessa lista.

Como estou em férias e fazendo várias coisas que não me permitem ouvir, estou com vários episódios atrasados, mas isso não é problema, pois os programas estão lá, disponíveis para download e posso ouvir quando quiser, esta é a graça do Podcast, afinal de contas.

Além de entretenimento, os podcasts trazem conhecimento, alívio do stress e novos amigos. Se você não conhece podcast, não sabe o que é, essa é sua chance de conhecer, pelo menos os que eu ouço. Deixei os links para vocês nos nomes de cada um deles, basta clicar, baixar o episódio e ouvir quando quiser. Muitos disponibilizam o episódio para ouvir direto do seu navegador e isso é ótimo. Também é possível usar um programa no seu celular para ouvir os programas e assinar esses canais, no Windows Phone uso o programa Podcast, que veio no próprio celular, mas em outras plataformas, você pode entrar na lojinha e digitar algo como ‘podcasts’ ou ‘agregador de podcasts’. São programas gratuitos e os conteúdos dos podcasts também são.

Espero que tenham gostado, que tenham lido o artigo do Lucas aqui no Rock Me ON e se não leram, a chance é agora.

Também tem o site http://diadopodcast.com.br/, que tem um material muito bom sobre o assunto e recomendo que vejam, vão descobrir mais coisas lá.

Gostaria que me indicassem algum podcast, não listado, para eu ouvir e dissessem por que eu deveria ouvir (Lucas, vc é café-com-leite nessa, ok?).

 

Feliz Dia do Podcast a todos meus produtores de conteúdo favoritos, adoro todos vocês, também tenho birra com alguns, mas de alguma forma, todos moram no meu coração e preenchem minhas horas com muita coisa boa. Que continuem com o excelente trabalho, trazendo cultura, valores, diversão e conhecimento para essa nossa sociedade tão abatida e bocoió.

 

Rock OFF!!!

 

 

Física Quântica Não é Achismo.

ROCK ON!

Olá caros leitores, aqui quem fala é Lucas Balaminut!

Vagando pela internet, eu me deparo com muitas pessoas que pensam que mecânica quântica é puro achismo e que os físicos não sabem muito bem o que estão falando. Como eu tô cansado de ver esse tipo de opinião baseada em falta de conhecimento e desinformação, fiz este textinho didático pra ajudar a entender um pouco mais de física moderna.

Se alguém quiser adicionar algum conteúdo ou souber de alguma correção, por favor, sinta-se à vontade pra deixar a revisão nos comentários. Esta leitura funciona bem melhor se assistir os vídeos espalhados pelo texto – eles não estão aí de bobeira, ok?

Acredito que muito da confusão que se da sobre física quântica vem do fato de que a física e a química que aprendemos no colégio está desatualizada. Elas não estão necessariamente erradas, mas já faz quase 100 anos que muitos conceitos foram aprimorados.

Lá no início do séc. XX, a física era dita como quase completa e, com seus modelos, era possível explicar e prever quase todos os fenômenos da natureza. Porém, alguns pequenos probleminhas persistiam. Um dessses probleminhas se tornou um problemão com o experimento da dupla fenda.

O experimento é bem simples: um canhão atira partículas, uma de cada vez, em direção a um sensor em forma de placa. Entre a placa e o canhão está uma parede com duas fendas. Quando atiramos os fótons ou elétrons pelo canhão, podemos ver onde ele está batendo na placa. Quando olhamos pro resultado, vemos que é impossível que cada elétron ou fóton tenha viajado como um ponto, mas o resultado é totalmente compátivel com uma onda que foi dividida em duas pelas fendas no meio do caminho. Este experimento é bem simples e pode ser feito em casa:

Descobriu-se que uma partícula se comporta tanto como uma onda, quanto uma partícula clássica (um pontinho no espaço). Este efeito é chamado de dualidade onda-partícula.

 

 

Uma vez que descobrimos isso, faltava saber por que as partículas se comportam ora como ondas e ora como corpúsculos. Porém, toda vez que se tentava medir a onda durante seu trajeto, antes que ela batesse no sensor, a onda virava uma partícula no momento da medição. Achava-se que era um problema com o experimento, mas depois descobrimos que a dualidade é real quando encontramos uma forma de vê-la sem interferir em suas propriedades. Em vez de usar sensores sensíveis a luz, usamos sensores sensíveis ao campo magnético. Este vídeo mostra uma das primeiras fotos que foram feitas com esse método:

Mas o que é essa onda? Os físicos achavam que cada ponto da onda representava uma chance maior ou menor de encontrar a partícula, mas que ela estaria sempre em um único lugar. Porém, descobrimos que cada ponto da onda representa uma chance maior ou menor de ser a partícula, como se ela pudesse se espalhar em milhares de pontos. Este conceito é extremamente contra-intuitivo. Como pode algo não estar em um único lugar, mas estar em vários lugares? Como pode o fato de estar se tranformar em chances de estar em algum lugar? Muitos duvidaram que isso seria possível pois é diferente de tudo que já vimos na mecânica clássica.

Einstein era um deles e, em resposta ao problema, ele disse que “Deus não joga dados”. Neste caso, vale a pena dizer que ele não se referia a um Deus de maneira religiosa, mas mais como “universo”, “natureza” ou ainda “leis da física”. Porém, foi provado que a onda é bizarra mesmo; Einstein se arrependeu profundamente de ter dito aquilo e passou a ajudar a desenvolver a mecânica quântica. Os experimentos que provam este conceito são bem complicados, mas o mais simples deles foi extremamente bem explicado neste vídeo:

O impacto desta mudança de paradigma é profundo. Por exemplo, antes acreditávamos que os elétrons ficavam girando em volta do núcleo do átomo; hoje sabemos que o elétron pode se espalhar em volta do núcleo, formando uma camada ou uma bolha. Um átomo com vários elétrons pode ser como um núcleo dentro de uma bolha, que está dentro de outra bolha, como uma boneca russa, ou as camadas podem estar em superopsição. O processo de passar um elétron de uma camada para a outra cham-se salto quântico; quando isso acontece, um fóton é liberado. Essa onda de luz só podem viajar carregando quantias de energia fixas; essas quantias foram chamadas de “pacotinhos”, ou quanta. Dessa maneira, quanta apenas quer dizer uma quantidade discreta, que não pode ser quebrada. Para cada frequência de luz existe uma quanta certa de energia.

Também descobrimos as caracterísitcas de cada partícula: carga, massa e spin. Este último é parecido com o efeito de uma esfera girando em torno de sí mesma com a força perpendicular em seus pólos, mas é mais complicado que isso. Cada partícula tem um spin definido que reage com as partículas a sua volta. Mais que isso, em condições bem específicas, duas partículas se ligam de uma forma que o spin de uma é o completo oposto da outra. Chamamos isso de entanglement. Se você ligar duas partículas antes de saber o spin delas e, depois, levar uma partícula pra um ponto A e a outra pro ponto B, no momento em que você medir o spin da partícula A, você sabe que o spin da partícula B é exatamente o oposto. Isso permite o que chamamos de quantum teleportation. Antes de mais nada, isso não é nenhum tipo de teleporte, em hipótese alguma, apesar do nome sugestivo. O fenômeno apenas quer dizer que quando você mede o spin de uma partícula, você sabe o spin da outra instantaneamente, mesmo se uma partícula estiver muito longe da outra. O legal é que isso foi muito bem provado.

O recorde de quantum teleportation é de 25 km. O problema é transportar as partículas sem que elas percam o ligamento.

Scientists Are Beaming Over Quantum Teleportation Record

Porém, ainda estamos limitados ao sistema booleano: o switch só pode estar está ligado ou desligado, 0 ou 1. Muitas pesquisas estão trabalhando em como gravar informação usando as ondas da partículas; em vez de 0 ou 1, teríamos um espectro imenso devido a onda de probabilidades e as superposições, o que aumentaria a capacidade de guardar informações em escalas enormes. Além disso, pesquisadores também trabalham em usar o entanglement pra acelerar a capacidade de processamento. Hoje, o computador faz cálculos mudando os 0s e 1s um após o outro (como dominós em uma fila, um vai empurrando o outro); com o entanglement, quando uma partícula tem seu spin medido, sabemos o spin da outra instantâneamente, o que faria com que todos os 0s e 1s mudem ao mesmo tempo (como em uma fila de dominós que todos caem simultaneamente).

O maior problemo do computador quântico é que, pra conseguir controlar estes fenômenos, precisamos de temperaturas baixíssemas. Imagine um computador com enormes tubos de nitrogênio líquido ao lado. Mesmo assim ainda é difícil fazer um Qbit funcionar pois estamos lidando com escalas extremamente pequenas, qualquer mínimo distúrbio distorceria o resultado.

Outro exemplo prático do uso do spin são as máquinas de ressonância dos hospitais (aqueles em que o paciente entra deitado em um cilindro). A máquina usa a mudança de spins das moléculas de água do seu corpo para escaneá-lo. Infelizmente, não tem página equivalente em Português, mas vale deixar a explicação completa aqui:

Magnetic Resonance Imaging – Procedure

Spin–lattice relaxation

Spin–spin relaxation

Nem a astronomia escapa! Antes da mecânica quântica, não sabíamos como explicar como era possível a existência objetos de densidade absurda, como as anãs brancas, estrelas que esgotaram todo seu estoque de hidrogêneo. É a energia dos elétrons espalhada em forma de onda de probabilidade que balanceia este tipo de estrela, tornando seu corpo estável mesmo muito denso.

O problema da física quântica é que, com tantos conceitos diferentes do que estamos acostumados no dia-a-dia, tão diferentes da mecânica clássica, é um prato cheio pra pseudociências. Acho importante deixar claro que quântica não estuda paranormalidade, outros mundos, alma, vida após da morte, ou nada desse tipo. Ela nem sequer tenta explicar isso. Robert Lanza, The Secret, “lei da atração”… tudo isso vem de interpretações equivocadas, não experimentais, ou calúnias mesmo, feitas pra se aproveitar de pessoas que acreditam em qualquer coisa que gostariam que fosse verdade, pra vender livros, DVDs, revistas, etc. Um pouco do por que essa confusão acontece:

Com mecânica quântica conseguimos construir o Modelo Padrão, que classifica as partículas, explica suas interações, e prevê resultados com 20 casa decimais de precisão (valeu por lembrar, Igor Alcantra ;D ). Todas as características do modelo padrão foram provadas experimentalmente. A última peça que faltava, o Higgs de Boson, foi encontrada em 2012.

Ainda há muitos mistérios na física, como o problema da supersimetria: se matéria e anti-matéria são sempre criadas simultaneamente e na mesma quantidade, e sempre desaparecem também ao mesmo tempo e em mesma quantia, por que vemos muito mais matéria do que anti-matéria no universo? O que explica essa falta de simetria no universo? E se o universo é simétrico, aonde está toda a anti-matéria equivalente a toda matéria que conhecermos? O que provocou seu isolamento de nós?

Infelizmente, é difícil achar material em português que seja bom e didático, e que não mistura ciência com interpretações filosóficas. Mas se você gosta de viajar na filosofia, não tem problema, eu também adoro. Recomendo este texto muito bacana sobre multi-versos que mandei pro SciCast, podcast de ciências, em resposta ao episódio sobre Forças da Física:

A Voz do Ouvinte #02: Não viaje na viagem no tempo

Recomendo ainda:

SciCast: Luz

Nerdcast: Quantificando a Física Quântica

Dragões de Garagem: Teorias, colchões quânticos e o carma de Newton

Dragões de Garagem: Modelos Atômicos

Dragões de Garagem: A descoberta do bóson de Higgs e seu espectador brasileiro
(entrevista com Rogério Rosenfeld, físico brasileiro que esteve presente no CERN)

Dragões de Garagem: Teoria da Relatividade Geral

Documentário sobre Einstein e a física quântica

Estamos longe de entender todo o mundo microscópico. Porém, o conhecimento que já temos é muito bem embasado. Na era da informação, com tantos divulgadores bacanas como Vsauce, Veritasium, Minute Physics e Sixty Symbols, não tem desculpa pra pensar que física quântica é achismo. Lembrem-se: “busquem conhecimento”.

ROCK OFF!

Cante Sagan com Nightwish!!!!

Rock ON!!!

Nightwish fez uma canção em homenagem ao Carl Segan. E quem  foi esse sujeito afinal???

Resumo da Wikipédia: “Carl Edward Sagan foi um cientista, astrobiólogo, astrônomo, astrofísico, cosmólogo, escritor e divulgador científico norte-americano.” E já é suficiente para você ir buscar mais sobre ele.

Esse post surgiu porque publiquei essa imagem no Facebook. Eu a vi outro dia por lá mesmo e a salvei. Gostei dela e me diverti.
CarlSeagan

 

E então minha amiga de longa data, a Amanda, comentou que o Nightwish tinha feito uma canção para ele! Perguntei o álbum, que é o ” Endless Forms Most Beautiful” e achei a canção com a letra, que tem um refrão meio grudentinho, mas bacaninha:

 

 

E por que Nightwish gravaria uma música sobre um astrônomo?? Por que não? O chefe Tuomas explica:

 

 

E se você quiser saber mais sobre Carl Sagan, mas de um jeito divertido, indico esse episódio do SCICASTPODCAST, que de brinde ainda vocês ficam conhecendo a série Cosmos. São 2:21 de programa, mas passa tão rápido que quando termina você diz “mas jáaaaaa???:

http://www.scicast.com.br/scicast-019-carl-sagan-cosmos-neil-degrasse-tyson/

Espero que tenham gostado e abaixo está a apresentação desse álbum, um mimo para vocês. Aliás, quem quiser me presentear, estou aceitando o álbum e já cogitando em ir ao show deles deste ano em SP. ehehehe

 

Os bastidores da música Sagan, com legendas da letra em português:

 

 

 

Rock OFF!!!!

Eleições 2014 – Primeiro Turno – MIMIMI!

Rock ON!!!

Eu cansei do mimimi e gravei um podcast.

Abram, ouçam, compreendam, compartilhem!

Mas eu sei que vocês vão é rir da minha tosca voz. Eu sei disso. Vão rir dos ‘erres’ puxados, das frases bizarras, dos cortes malucos e de toda a minha indignação!

Ahhhhhh Cuidado para não ficarem tontos com o trajeto.

Aprendam do pior modo o que é democracia, descubram o que falei sobre o corte de cabelo de um cara aí e finalmente: se emputeçam comigo!

É isso, já falei demais, assistam ae!

ps: O tuim é proposital para irritar vocês.

 

Podcasts citados: Scicastpodcast, Nerdcast, Radiofobia.
Personalidades citadas: Cid (Não Salvo), NickEllis (Nice Guy).
—–
Trilha de introdução: Trecho de Red Cowboy, de Dyman.

Rock OFF!!!

Dez Vídeos Anti-Drogas!

Rock ON!!!
cocaina
Devido ao alto índice de gente defendendo a legalização das drogas, coisa para lá de absurda, lembrei-me que antes haviam propagandas bem interessantes sobre o assunto e hoje, parece que não há mais.

Vamos colocar em partes: droga não é recreação, diversão, uma coisa boa, benéfica para sociedade. Há substâncias que derivam das drogas que podem ser usadas em benefício da humanidade, sim, existem e são substâncias processadas em laboratório, por cientistas, pesquisadores. Mas isto é assunto de outro post, talvez outro canal, como o MeioBit.com, o Ceticismo.com, Galileu.com.br, não sei, descubram vocês.

Bom, chega de lenga-lenga, quero mostrar algumas propagandas que circularam na TV e outras que acabei descobrindo no Youtube:

1) Nino Psicodélico: Eu tinha medo dessa propaganda. E ela não tinha nada demais, mas era boa, porque te dava um leque de coisas para fazer. Por que você iria se drogar?

2) O Mais Adiantado da Turma – Essa propaganda é bem antiga. E eu me assustava.  Ela dizia na lata, na cara dura, como você ficaria usando drogas. Aliás, a cara desse ator já ajuda para meter medo. Ô moleque mal encarado!

3) Eu penso isso das pessoas que usam drogas. Não são coitadas, doentes não. Elas tem isso mesmo na cabeça e se você discorda, você tem a mesma coisa!

 

4) Meu nome é cocaína. Essa era forte. Começava bem e terminava bem sinistra.

 

5) Essa não é brasileira, por isso é bem forte, extrema e boa.

6) Travou? Essa era voltada para os empresários.

 

7) Pô, Marcão! – Quem fuma maconha já perdeu seus neurônios.

 

8) Este é alemão e mostra como são os efeitos das drogas usando um carro como cenário. A propaganda é bizarra e realmente aquele bicho me assustou. Mas é uma propaganda bem didática, porque mostra como você ficaria se estivesse usando drogas.

9) E olha o discurso de quem quer legalizar a maconha! Marionetes!

 

10) A melhor propaganda sempre!

– este é seu cérebro.

– estas são as drogas.

– este é seu cérebro com drogas.

– alguma pergunta?

Acho que a número 10 é a melhor de todas e deveria voltar. Ela é bem visual, didática, direta. Porque é isso mesmo que acontece: maconha, cocaína, crack, pegue qualquer droga, seu cérebro vai ficar assim. A diferença é o tempo que isso vai levar.

Agora, se depois dessa, vier alguém comparando álcool, cigarros, que infelizmente são legalizados, comparar com drogas, putakeu, vc merece um taco de baseball na cabeça, pq com certeza, seu cérebro já fritou e não serve para nada!

E se quiser saber mais sobre o assunto, de maneira científica e divertida, ouça o Scicast sobre o assunto!

http://www.scicast.com.br/scicast-036-toxicologia-social/

Rock OFF!!!

Cowabunga!!!!

Rock ON!!!!

Após uma breve discussão com o @RonaldoGogoni, das mídias Meio Bit e Scicast sobre a nova versão das Tartarugas Ninja; e atendendo ao pedido feio no episódio #40 do Scicastpodcast [“manda desenho, manda desenho…”] aqui está, especialmente para você e também para a equipe desse programa incrível cheio de humor, ciência, seriedade, história, geografia, cultura e que já está em primeiro lugar no meu Top 3 de podcasts que ouço [ok, são apenas 4, mas enfim, vocês passaram um que eu tinha como campeão, ehehe].

Aham, voltando…

Rabisquei em meu caderneco um Leonardo, dentro do meu traço, que isso fique bem claro e depois fotografei [Leo 0], levei ao Photoshop. Fiz uns ajustes nas cores [Leo 1] e por fim, apliquei o filtro Noise->Dust&Scratches para deixar com aspecto de tinta [Leo 2].

Foi um desenho bem descompromissado, como tudo que vai no caderneco de rabiscos.

Enfim, espero que gostem e não deixem de acompanhar o Scicastpodcast!!!! A diversão é garantida!

leo0

leo1

leo2

Bom, é isso ai, pessoal.

Espero que gostem.

Rock OFF!!!

A Ignorância

Rock ON!!!

Estou realmente assustada com a ignorância das pessoas. Vejo ignorantes em todas as partes e ao invés de procurarem evoluir, essas pessoas parecem amar continuar ignorantes. Talvez seja aquele velho ditado que diz: “A Ignorância é uma benção.” Talvez as pessoas queiram ser ignorantes para se sentirem abençoadas, eu não sei.

Só sei que com a popularização da tecnologia, ao invés das pessoas procurarem estudar, evoluir, está acontecendo justamente o oposto: as pessoas vêm regredindo cada vez mais.

Acabei de ler um artigo sobre uma doença chamada Toxoplasmose. Uma das formas de se contaminar é ingerir fezes de animais, felinos em especial. Notem: uma DAS formas. Houve um comentário de uma pessoa, que dizia que o artigo tinha ajudado a entender a doença. Ok, ajudou mesmo? Não, digo isso porque a mesma declara linhas abaixo que NUNCA terá um gato. Ora bolas, minha querida pessoa, você pode ter gatos, basta não comer as fezes dele! Ou seja: ela não leu o artigo, se leu não capitou a mensagem, não interpretou o texto. Criou sua própria definição sobre o assunto e pronto, lançou seu comentário ignorante ao mundo e com certeza uma pessoa mais ignorante que ela ao ler aquilo, pode partir para o envenenamento de felinos ou maltratar os bichos ou mesmo abandonar seu animal. Estou sendo radical? Talvez.

Mas as pessoas andam tão ignorantes que não duvido de mais nada.

Outro caso de ignorância crônica foi o que vi agora pouco num grupo de artes do qual eu participo. Um rapaz perguntou qual a importância de Picasso. Sugeri que lesse sobre história da arte. Um outro rapaz se meteu na conversa e disse-me que eu precisava estudar mais português porque não tinha entendido a pergunta do fulano. Ora bolas, dei a melhor sugestão possível para aquela pessoa: ESTUDE HISTÓRIA DA ARTE. Estudar esse assunto sanaria essa questão da mente dela e com certeza levantaria outras. Pois bem, o fulano quer uma opinião sobre Pablo Picasso. Ele não quer entender o contexto em que aquele artista estava imerso. E por fim não vai NUNCA entender a importância dele e porque é considerado um grande pintor. Simples assim. Poderia ter falado a ele minha opinião sobre o artista, poderia, mas isso não o ajudaria em nada. Por fim deixei o debate rolando e dei ‘stop notifications’ no tópico. Quer continuar ignorante? Continue. Não vou dar aula de história da arte gratuitamente. Ralei noites estudando para saber o que sei. Posso te dar o caminho, mas seria injusto mastigar a resposta, ainda mais se tratando de arte, algo tão subjetivo e de interpretações diversas!

Há ainda aqueles ignorantes que desconhecem o nosso idioma e estão cada vez mais povoando a internet com seus comentários idiotas, cheios de erros de ortografia, concordância, enfim, a pessoa escreve num idioma horroroso que nem pode ser classificado como “português coloquial”. Essas são as mesmas pessoas que serão médicos, engenheiros, artistas, arquitetos, músicos, escritores em um futuro não tão distante. Claro, considero todas as bolsas auxílio e facilidades que hoje existem para se pegar um diploma, o que no futuro não vai querer dizer nada, porque diploma não constrói prédios e nem opera pessoas. Enfim, o futuro é tenebroso no Brasil.

Oi!

OI!

E por fim, como quero realmente ajudar a acabar com essa ignorância, vou indicar um podcast que tenho ouvido e que é muito muito bom mesmo. Ele trata de assuntos científicos, culturais e comportamentais de maneira suave, divertida e inteligente. Sério mesmo, se você não conhece esse podcast, já passou da hora de conhecer!

Conheçam o Scicastpodcast, sejam felizes e menos ignorantes:

Scicast

Rock OFF!!!

%d blogueiros gostam disto: