Tag: Kiss

5 Músicas Incríveis para Um Dia Frio

Músicas para se ouvir em um dia frio. Sozinho ou acompanhado.

Cinco Bandas Que Não Mostram o Rosto!!

Rock ON!!!

Hoje vou mostrar 5 bandas que se apresentam sem mostrar o rosto!!! Você vai pirar com isso!!!

Avaruuden autokorjaamo – Hevisaurus

Os Hevisaurus!!! Uma banda finlandesa, voltada para o público infantil, com um metal pulsante e pesado para ensinar a criançada a lavar as mãos, escovar os dentes, entre outras coisas. Que Barney Roxo que nada, o legal mesmo são os Hevisaurus!!!

Outro, para vc curtir o visual e o idioma da Finlândia!!!

Devil is a Loser – Lordi

Outra banda finlandesa, os caras usam máscaras de monstros e o som é pesadão!!! Os clipes são verdadeiros mini-filmes de terror, mas suas canções em geral tratam de temas românticos. Vai entender, né?

O que importa é que são muito legais!

Outra deles para vocês curtirem. Gosto do peso dessa:

Forever – Kiss

Ah, vá??? Jura??? Dispensa apresentações?? Dispensa, os caras são demais! E o Kiss é para sempre! Forever!!!

Sei que Forever é bem melosinha, então vamos agitar com Detroit Rock City:

Clint Eastwood – Gorillaz

Não sei o rosto deles. É uma animação. Se você souber como eles são de verdade, poste aí nos comentários e me ajude a desvendar este mistério!!!

Gosto muito dessa daqui, lembro que via o clipe e gostava muito da animação:

Sangue Latino – Secos e Molhados – (Sugestão do Reuel Almeida.)

E diretamente das terras brasileiras, essa banda muito louca!!!

E vamos animar mais essa bagaça com O VIRA!!!! Quem nunca cantou isso???

SECOS-E-MOLHADOS-2
Secos e Molhados
E é isso, pessoal! Espero que gostem!!!

Rock OFF!!!

Caminhada 16 – Expomusic 2015!!!

Rock ON!!!!

Galera, com muito atraso que faço essa postagem. Foram dois dias de evento nos dias 19 e 20 de setembro e fomos nos dois dias!!!

Andamos muito por lá e passamos fácil dos 2km.

Bom, o evento foi muito legal, pude ver o show do Felipe Andreoli, Kiko Loureiro e Bruno Valverde; além de outros talentos.

Outra atração foi o sorteio de instrumentos. Participamos no domingo e foi muito divertido. Deixo um abraço à anfitriã Deborah, do Marketing da Expomusic, que puxou a galera com muita energia e vibração!

Não ganhei nada além de experiência, contudo, quero destacar que este ano teve muito mais prêmios que no ano passado, os já tradicionais instrumentos guitarra, violão e violino, somados a um contrabaixo, flautas, cursos, fones, guitarras autografadas, camisetas, foi uma loucura! Até guitarra do Capitão América teve! Inclusive, pai e filho sortudos que ganharam instrumentos cada um, sendo um deles um kit de guitarra completo com assinatura do Andreas Kisser!!!

Foi bem divertido mesmo. Mas poderia ter sido melhor se tivessem aberto a sexta-feira ao público, como fazem tradicionalmente, aí eu iria 3 dias! Ahahah E na sexta iria com um músico, o que seria muito demais!  😉

Quem sabe ano que vem, né?

Bom, deixo algumas fotos que tirei da folia que fizemos no evento.

 

Dia 01:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dia 02:

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Rock OFF!!!

How to Kiss, 1911!

Rock ON!!!

Ah, o primeiro beijo! Pode ser um espetáculo circence, devastador como um furacão ou breve, pequeno e doce como um selinho. 😉

Mas o importante é acontecer, não é mesmo?

E para você, amigo tímido que lê estas pequenas linhas, aqui está a solução!

Diretamente de 1911, fornecido pelo @HistoryInPics, uma imagem resgatada do manual que ensinava aquela galera e que pode ensinar você também, sim, você, tímido amigo! A deslanchar de vez!

E se não souber inglês, tem figurinhas que te mostram o que fazer! WoW!!!!

Rock OFF!!!

Rock N’ Roll All Night!!

Rock ON!!

Olá pessoal, uma homenagem a um dos integrantes da banda KISS, Gene Simmons!

ROCK N' ROLL ALL NIGHT AND PARTY EVERY DAY!

ROCK N’ ROLL ALL NIGHT AND PARTY EVERY DAY!

Rock OFF!

A Tragédia de Santa Maria – Parte 2

Rock ON!!!

Olá, pessoal.

Quanto mais eu leio sobre esse caso, mais me emociono e fico indignada. Tudo ao mesmo tempo. Soube que morreram alguns músicos e a maioria das pessoas alí eram estudantes em comemoração.

Isso é bem triste. Pessoas jovens, que tinham um futuro pela frente, agora são apenas vítimas de uma tragédia. Além disso, as pessoas que sobreviveram, ainda sofrem riscos de sofrer com doenças respiratórias pelos efeitos da fumaça inalada.

Muita gente em minha time line e no meu trabalho tem especulado a respeito, mas a verdade é uma só: a fiscalização é negligente e ineficiente em nosso país. Para todas as coisas.

Tenho ao meu lado, um depósito que foi transformado em indústria química. Aqui é um bairro residencial, não é industrial. Chamei a prefeitura de SP e sabe qual foi a resposta deles? OK. Sim, um simples e mísero “OK” foi assinado na ficha da prefeitura e que a atendente até se envergonhou e não soube explicar porque marcaram assim.

O que será que aconteceu? Será que o fiscal veio? recebeu uma grana e foi embora? Fiquei indignada e fiz outro protocolo. Ainda aguardo o resultado.

Será que em Santa Maria não aconteceu a mesma coisa? As câmeras foram retiradas misteriosamente após o infeliz fato. Disseram que já estavam sem câmeras. Ou seja, você vai ao lugar, acha que está seguro e no final…

Também vi a planta do local. Realmente, era um local esquisito, com dois palcos nas laterais e uma única entrada e saída. Fácil aglomerar. A casa estava superlotada: capacidade para mil pessoas e havia mil e quinhentas, aproximadamente.

Fiquei pensando em nossa cultura de não ter treinamentos contra incêndio e demais desastres. Ok, aqui não tem terremotos, mas temos enchentes, desabamentos e incêndios. Então, porque isto não faz parte de nossa cultura? Porque não aprendemos a sair corretamente, a nos portar quando estamos nesta situação?

A maioria das pessoas morreu pisoteada. Fato. Mas pensem nas pessoas que sobreviveram, saberem que estão vivas, porque provavelmente, pisotearam e mataram outras? Então, é melhor falarmos que foi por asfixia?

Gostaria realmente que as coisas mudassem em nosso país. Que fossem dados treinamentos para essas situações críticas em nossas escolas e empresas.

Eu tive sorte de poder fazer curso de brigada de incêndio onde trabalho. Aprendi muita coisa, que posso usar em alguma situação de risco. Não vou dizer que teria a calma e paciência de um mestre zen, mas conseguiria não ter comportamento de “manada” e talvez, me safar. Dependeria de sorte também.

Mas se todos tivéssemos esse treinamento, nossa, seria maravilhoso. O comportamento de manada seria evitado e muita gente teria sua vida poupada.

Gostaria mesmo que todos os brasileiros pudessem ter ao menos uma noção de como se portar em uma situação como esta e que isto virasse parte da grade nas escolas, pelo menos um workshop sobre o assunto.

Bom, é isso ae, pessoal.

Espero que fiquemos sem tragédias por enquanto.

E que os babacas que estão fazendo piada com isso nas redes sociais parem. Vocês são uns pulhas desalmados. Deixem essas pessoas em paz, já não basta terem que velar seus entes, ter que enterrar filhos e filhas, sobrinhos, netos, pais, irmãos, amigos, tios e tias, primos e primas… vocês ainda aparecem para caçoar deles? Parem com isso, imbecis.

Rock OFF.

Rock Me ON!!!! Um Set List Exclusivo!

Rock ON!!!

Este post deveria ter saído no dia Mundial do Rock, mas devido a uma mancada muito grande minha na hora de digitar, tá saindo só agora.

Resolvi montar um SetList com algumas músicas. Espero que gostem. Se não gostarem, paciência.

Agradeço a todos os meus visitantes e seguidores do Rock Me ON! Vocês que aguentam minha chatice todo dia são demais!

Keep Rocking Rock And Roll, galera!

—-

Saxon: Crusader
Se tem dificuldades em entender o que foram as cruzadas, esta música pode ajudar e de forma divertida. Além disso, o som do Saxon é muito bom, guitarras afinadíssimas, com belos riffs, a bateria não se sobrepõe, mas se mostra presente. Os vocais são apurados e deixam você no clima da música.

—-
Motörhead: March or Die

Confesso que fiquei arrepiada com a atmosfera dessa música. Aplicável a qualquer guerra, imagino, é uma música densa, faz muito uso de efeitos, mas de forma harmoniosa e perfeita. O vocal é do já conhecido Lemmy Kilmister, que particularmente está soturno. Arrepiante mesmo!

—-

Dr. Sin: King

Saindo do novíssimo álbum Animal, esta música é bela, simplesmente bela e presta uma homenagem ao incrível Ronnie James Dio, vocal do Black Sabbath e da banda DIO, falecido em 2010, deixando-nos órfãos de sua bela voz.

Quando estive conversando com Marco Hietala, no Blackmore, quando este veio se apresentar com sua banda, Tarot, me disse que Dio foi uma de suas referências vocais.

Além disso, a voz de Andria deixa a homenagem ainda mais bela. Forte, ousada e magnética, tem o apoio da bateria do Ivan e da guitarra do fabuloso Edu Ardanuy.

—–

Almah: Hypnotized

A música de abertura do álbum Motion é sem dúvida alguma o anúncio de que algo grandioso está para acontecer: a voz de Edu Falasch está grandiosa, cantando dentro de seu timbre (finalmente, né, Edu? Chega de sofrer!), podemos ver o que um grupo de ótimos músicos é capaz de fazer: Felipe Andreoli no baixo, Marcelo Barbosa e Paulo Schroeber nas guitarras e o pulsante Marcelo Moreira na bateria conferem um peso enorme a essa música e ao álbum todo.

Infelizmente houve a saída do Felipe e do Paulo, mesmo assim, vale muito ouvir essa música, que é sem dúvida diferente de tudo o que você já experimentou. Esqueça o Angra, o som do Almah é denso, profundo e algumas vezes reflexivo. Ok, exagerei? é que eu gosto muiiito! rs (mas eu também amo o Angra!!! mas são estilos diferentes).

—–

Trayce: Made of Stone

O som é surreal. A letra profunda e com refrões ótimos.

A harmonia está maravilhosa. Lembra grandes bandas como Aerosmith e Guns (como isso é possível, não sei).

O vocal é bruto, mas não massacra os tímpanos, embora os primeiros tons sejam para chamar sua atenção, a cadência da música te envolve e você se sente lá, no meio da banda, fazendo parte do show.

Recomendo e muito que ouçam este som. Não é uma banda popular (ainda) mas é extremamente promissora e faz diversos shows por aí. (aliás, estou devendo para o batera assistir!)

—-

Ozzy Osbourne: Let me Hear You Scream

Mestre Ozzy, rogai por nós! Gritamos com todo coração!

Sem dúvida uma música o quanto este cara ainda tem combustível e merece estar em toda playlist de metal que se preze!

E por que este clipe? Bom, hoje é sexta-feira 13 e é bizarro demais! Merece estar aqui!

As guitarras são fortes e as imagens pertubadoras.

—-

Pantera: Cowboys From Hell

Introdução bem trabalhada, um vocal rasgado e ao mesmo tempo doce.

Não é uma música romantia.

É uma música muito estilosa!

As paradas da guitarra dão muita cor para a melodia, mas Pantera não precisa de muito, Pantera é isso mesmo!

—-

Slayer: Raining Blood

A introdução parece fraca, mas vai tomando corpo, como se fosse realmente uma chuva iniciando e se tornando uma tempestade.

A bateria é furiosa e marcante. O vocal é rasgado, guitarra seca, bons riffs.

Sem dúvida, um clássico.

——–

Tarot: Wings of Darkness

Para fechar, que tal apreciar Marco Hietala com um visual totalmente Glam???

Sim!!! A música tem os fortes baixos, as guitarras possantes do Zacky, a batera alucinada do Pecu, além disso, o ritmo é completamente animado.

As caras e trejeitos do Marco são sua Marca registrada.

O clipe é de 86.

—-

Van Halen: Love Walks in

Vamos amenizar um pouco com riffs bem escritos e muito sintetizador, claramente o ponto forte da estrutura dessa música, causando um belo contraponto com a voz marcante de Sammy Hagar.

A atmosfera criada por essa canção é muito interessante, basicamente é um marco da década de 80, como a maior parte da discografia dessa banda tão importante para quem curte aquele rock mais suave.

A bateria some um pouco e meu instrumento favorito, o contrabaixo é praticamente nulo. Ele está alí, eu sei que está, mas os teclados não me deixam ouví-lo. rs (tá, eu tenho problemas com isso mesmo! Sou Andreolítica demais, eu acho, rs)

‘Love Walks in’ possui ainda um backing vocal interessante, deixando a música com um jeito ‘vaporoso’ (ok, a frase ficou estranha, mas é porque não consigo descrever, só ouvindo mesmo para entender. Ah, mas isso só ocorreu da terceira vez, aliás, é a terceira resenha que escrevo dessa música para o post, as demais estavam muito pobres). Reloading… enfim, o backing vocal é suave, você percebe que está alí, mas apenas sustenta o vocal principal, que transfere ao ouvinte toda sua emoção, quase beirando a uma dor existencial (profundo, hein?).

Como já disse, os sintetizadores marcam muito a música, e no solo de guitarra, servem de apoio, ficando tudo mais rico e belo.

A música sinceramente já tinha ouvido, há muitos e muitos anos, mas estava esquecida na gaveta da memória, ahahahaah como muitas outras, enfim, foi uma sugestão bem aceita. 😉 E por isso foi incluída no setList do Rock Me ON.

—-

Angra: Late Redemption

Um dueto épico entre Angra e Milton Nascimento, deixam essa música harmoniosa, suave e ao mesmo tempo forte. Ora, essa, dado momento muda-se a cadência, o ritmo e tudo se transforma, a música ganha energia e cria toda uma atmosfera, dando sequência à história que vem sendo contada no álbum Temple of Shadows.

A guitarra base juntamente com o contrabaixo sustentam a música, enquanto a guitarra do Kiko Loureiro literalmente esculpe a dor do personagem.

E a bateria completa o quadro.

—–

Elvis Presley: Little Less Conversation

Sim, a música da propaganda. Ora bolas!

Elvis, o rei não poderia faltar!

Não vou discutir o ritmo, não vou falar nada, apenas apreciem o REI!!!

——

Queen: We Will Rock You

Sem dúvida alguma ele não deveria ter morrido e essa é para encerrar.

A guitarra e bateria perfeitamente contruídas, a voz do Fred Mercury maravilhosa e diga-se de passagem, que show!!!

—-

Bom, pessoal é isso!

E fiquei tão amalucada com isso, faltaram tantas outras bandas, que vou fazer mais posts sobre músicas e clipes.

Queria ainda citar ótimas bandas e músicos para vocês mesmos procurarem: Hangar, Lobão, Children of Bodom, Sepultura, Korzus, Dream Theater, AC DC, Kiss, Black Sabbath, Bittencourt Project…

Feliz dia do Rock!

Rock OFF!!!

Roosevelt, The Hard Rock Band!

Rock ON!!!

Um dos propósitos deste blog é comentar sobre shows, afinal, o nome é Rock Me ON!!! Ou seja, não falar de pelo menos uma banda por ano chega a ser um verdadeiro sacrilégio musical!

Bom, para não deixá-los famintos, vou falar de uma banda, que ainda não é famosa, mas que pelo que vi, tem tudo para estourar e se tornar um verdadeiro monstro nas paradas! Ok, talvez eu exagere um pouco, mas os caras são bons mesmo!

Estou falando da banda Roosevelt THRB, The Hard Rock Band! Ok, uma banda com nome e sigla não é todo dia que se vê e para ser sincera, no momento não me lembro de nenhuma outra que tenha isso! Mas enfim, vamos ao que interessa: o que essa banda tem de tão especial e como foi o show?

Guardem bem essa imagem!

Guardem bem essa imagem!

O show, primeiro do ano, aconteceu dia 15 de janeiro deste ano, no Snooker Rock Bar, lá na Alameda dos Aicás, 1245, que fica em Moema. O resto você procura no Mr. Google, ok?

O lugar tem um ambiente amigável, muito bacana para passar o tempo, um barzinho com sinuca e um serviço de mesa muito bom. Foi difícil manter o copo vazio, se dependesse do garçom, acho que voltaria de ambulância para casa, rs. Os preços são um pouco salgados, quando comparados aos do Black More, uma casa de Rock da região, mas enfim.

Local pequeno, mas bacana!

Local pequeno, mas bacana!

Para esta aventura contei com a companhia de minha amiga Helen e do Arthur, seu marido, que chegou atrasado e perdeu dois blocos de show! Aham, a banda se apresentou das 19h às 22h, perfazendo um total de 3 blocos musicais, com intervalos médios de 15min, afinal, eles são humanos e merecem descansar, né?

O convite para ver a banda partiu de meu amigão, aliás, primaaaão, o Marcus, batera da Roosevelt, que diga-se aqui, quando o conheci no SENAI, apenas dizia que quando acabássemos o curso, que iria tocar bateria. E eu sequer podia imaginá-lo numa, afinal, quase 2m de altura, como pode??? WTF, enfim, ele fez e agora toca muito bem!

Marcus Quintella, o baterista!

Marcus Quintella, o baterista!

Aliás, tão bem que fica difícil imaginar que em apenas 2 anos de estudos já esteja num nível muito bom. [Não infle seu ego, você ainda não é um Aquiles Priester, mas um dia chega lá! Rs]

A banda ainda é composta por dois guitarristas, o base Alan Simon Bravo e o solista Dido Gunner, o baixista oficial e que no dia encarou o back vocal por estar impossibilitado de tocar, Menson Cerri, o baixista convidado, Daniel Villiger Silveira e o vocalista Lucas Zeni Melo [em tempo, esta semana foi anunciada a sua saída da banda, que já procura um substituto!]

Roosevelt THRB!

Roosevelt THRB!

Contando com um público pequeno, mas cativo, formado por familiares e amigos, a banda iniciou o show com o seguinte set list:

Nightrain [Guns N’ Roses]
Detroit Rock City [Kiss]
Rock You Like a Hurricane [Scorpions]
Sweet Child o’mine [Guns N’ Roses]
18 an Life [Skid Row]
Smoke on the Water [Deep Purple]
Knocking on the Heavens Door [Guns N’ Roses]

Confesso que fiquei perdida nas músicas do Guns N’ Roses, nunca fui fã deles, mas uma ou outra eu já tinha ouvido, né? Rs. Gostei muito de Detroit Rock City e acho que eles deveriam ter aberto com esta música, pois o público também vibrou mais com esta, afinal, trata-se de um clássico!

Galera mostrando para o que veio!

Galera mostrando para o que veio!

O áudio estava bom, mas os vocais ficaram abafados neste primeiro bloco e mal se ouvia o Lucas. Dei um toque nisso para o Marcus e do segundo para o terceiro bloco, fizeram os ajustes necessários.

É diferente tocar para um ambiente vazio e para outro cheio, podem ter a falsa impressão de microfonia ou ecos indesejados, por isso, quando as bandas crescem, digamos assim, é necessária a presença de um técnico de som, para que ele vá ajustando o áudio à medida que decorre o evento. Sim, meus caros, Rock Me ON!!! Também é informação! Rs

O ângulo que peguei as fotos não estava bom. Mas o show foi ótimo!

O ângulo que peguei as fotos não estava bom. Mas o show foi ótimo!

Uma das coisas que gostei nesta banda e que pouco vejo em bandas brasileiras é a ‘presença de palco’. Não sei por quê, mas o metal brasileiro toca duro, como se estivessem fincados no chão e como se isso fosse regra.

A Roosevelt teve uma boa presença de palco, apesar de não haver um, rs, afinal, estavam no mesmo patamar do público, mas por seu desempenho, conseguiram criar um ‘palco virtual’ por assim dizer e me impressionaram bastante com uma performance similar a que eu vi da banda finlandesa Tarot.

Da esquerda para direita: Marcus, Daniel, Menson, Simon e Dido. O vocal... bem... o vocal saiu! [tadá-tum-tiss!!!]

Da esquerda para direita: Marcus, Daniel, Menson, Simon e Dido. O vocal... bem... o vocal saiu! (tadá-tum-tiss!!!)


Por apresentar um show cover, estavam bem ensaiados, não percebi notas erradas [e olha que sou crica para isso! Peguei notas assim até do Rafael Bittencourt e do Confessori!]. Tocaram com coerência, sem perder a cadência, souberam e respeitaram cada música. Isso é ótimo para os fãs!

O segundo bloco, em minha opinião foi o melhor, pois contou com:

Forever [Kiss]
Back in Black [AC/DC]
Dr Feel Good [Mötley Crüe]
Even Flow [Pearl Jam]
We All Die Young [Steel Dragon]
Fall to Pieces [Velvet Revolver]
In a Darkened Room [Skid Row]

Daniel, o Baixista  convidado: categoria e estilo!

Daniel, o Baixista convidado: categoria e estilo!


Claro, para variar, um setlist desconhecido para mim, porém foi o que mais gostei! Só acho que deveria ter mais do AC/DC… claro, to puxando brasa pro meu peixe! Gosto não se discute!

Neste ponto seria de se esperar músicos exaustos e a qualidade caindo, mas não com a Roosevelt: o pessoal estava com muita energia e cheio de vontade para entrar para o terceiro bloco!

O atual ex-vocalista Lucas e o guitarrista Alan Simon.

O atual ex-vocalista Lucas e o guitarrista Alan Simon.

Lá fora chovia, tempinho chato para caramba e finalmente chegou o Arthur, esposo da Helen, todo molhado, para curtir o último bloco.

Arthur ficou impressionado e elogiou bastante a banda. Helen também curtiu, diga-se de passagem, adoramos o programa diferente!

Para fechar a noite, de domingo e nos preparar para uma segunda-feira complicada, afinal, acordar cedo e trabalhar depois de uma noitada dessas fica bem complicado, temos o setlist do terceiro bloco composto por:

Don’t Cry [Guns N’ Roses]
Fool for Your Loving [Whitesnake]
Dream On [Aerosmith]
We’re Not Gonna Take It [Twisted Sister]
Breaking the Law [Judas Priest]
You Give Love Bad Name [Bon Jovi]
Paradise City [Guns N’ Roses]

Preciso dizer? Então, pulando a parte do meu desconhecimento musical [preciso ampliar meu setlist particular!] foi uma apresentação tão boa, tão bacana e legal que quando, timidamente o vocalista anunciou o fim do show, a casa veio abaixo e o povo pediu bis!!! E teve seu bis! E agora nem me lembro mais o que cantamos, rs!

Mas sei que gostei muito do que vi e até ganhei a palheta do solista Dido [valeeeu! 0/] que está junto com minhas outras palhetas de: Zack Hietala, Felipe Andreoli, Ricardo Primata e Rafael Bittencourt. Uma coleção pequena, admito, mas de peso!

A Banda Roosevelt merece ser vista, então fiquem ligados na agenda deles pelo Facebook: http://www.facebook.com/Roosevelt.THRB?sk=info e acompanhe sua performance no canal do Youtube: http://www.youtube.com/user/BandaRooseevelt/featured e torçam para que consigam um novo vocalista logo!

Ainda estão no começo, mas já têm um bom material e um estilo que precisa ser desenvolvido em conjunto, talvez o grande segredo das maiores bandas seja este: ser um grupo que goste daquilo que faz, que faça com alegria e diversão, mas que sobretudo entendam que o que possuem é um negócio e como tal, se administrado com cuidado, irá gerar muitos lucros!!! Mas até lá, a caminhada será longa, portanto, não desanimem e Keep Rock Rocking Roll!!

Se beber, não dirija! Por isso eu fui de metrô! Olha o sacrifício!!! Eu  usando o transporte público!!!

Se beber, não dirija! Por isso eu fui de metrô! Olha o sacrifício!!! Eu usando o transporte público!!!

É isso! Espero que tenham gostado, um post rápido, mas sincero e honesto.

Rock OFF!

—-
Galeriazinha para vocês:

O que é isso???

Rock ON!!!

Homenagem a uma das melhores bandas de todos os tempos!!!!

Rock OFF!

Feito com a Bamboo Pen. Ainda preciso melhorar muito!

Feito com a Bamboo Pen. Ainda preciso melhorar muito!

Tirinha Musical: Gandalf + Kiss!!!

Gandalf canta Doctor Love, do Kiss!

Gandalf canta Doctor Love, do Kiss!

%d blogueiros gostam disto: