Tag: China

Sem Foco 40 – Preservativos Bizarros: Como NÃO Se Prevenir!

Rock ON, galera!

Aqui é Priss Guerrero escrevendo para contar que este Sem Foco ficou muito engraçado, acho que é o mais divertido que já gravei em toda a história do programa! Sério! Se preparem para rir comigo e com a Tati Shade Godzilla Trevoso nesse programa sobre Preservativos Bizarros: Como NÃO Se Prevenir!

Eu na Vida!!

Rock ON!!!

 

eunavida

Piadas a parte, a foto foi retirada dessa reportagem sobre a reprodução de pandas na China.

Caso não saibam, é muito complicado fazer esses bichinhos procriarem em cativeiro (na natureza tbm).

O link para matéria completa está aí embaixo:

Centro de Reprodução de Pandas Apresenta Filhotes ao Público na China.

É isso.

Rock OFF!!

Outro Panda!

Rock ON!!!

Estava rabiscando no ArtRage de novo e saiu outro panda. Espero que gostem.

 

panda2

E por que ‘outro panda’?

Porque já fiz um panda esses dias, você não viu? Clique aqui.

Rock OFF!

O Panda!!!

Fiz este curioso panda no Autodesk SketchBook Pro.

É um programa interessante para desenhar e pintar, com muitos recursos e como vocês puderam perceber, ainda não sei usá-los muito bem.

A parte mais chata do programa é dar Zoom. Parece que há um pequeno bug, que quando você aproxima ou distancia uma imagem, ela muda de posição na tela, daí tem que pegar outra ferramenta para ajustar e isso é chato.

“Oi, meu nome é Pé-de-gato preto e branco, mas pode chamar de Panda!” (no final vcs vão entender)

panda1

O panda é um animal interessante.

Vejam só, ele é símbolo da China, está ameaçado de extinção, sua reprodução é algo muito complicado e até raro.

Quando nascem, eles são bem pequenininhos, pouco maior que um camundongo, nascem pelados e são horríveis mesmo. Vejam a foto:

panda_2

E acho que esse daí, já tem alguns dias de vida, bom, é surpreendente como uma coisinha medonha dessas vira algo tão fofinho, peludinho como um panda.

Pandas vivem em média por 13 anos, no cativeiro pode chegar a 20 ou 25 anos.

Estão ameaçados de extinção por conta do habitat natural, já que as leis chinesas de proteção são bem rígidas. Mas infelizmente, estão acabando com a ‘casa deles’, problema que ocorre com outras espécies.

Uma vez me falaram que os pandas estão mais para a família dos cangurus, que dos ursos, mas isso não é correto. Pelo que apurei, os pandas são PANDAS. Uma categoria própria. Claro, posso ter entendido errado e é seu dever, querido leitor ou leitora do Rock Me ON, me corrigir aqui nos comentários, ok?

Breve descrição, retirada do Wikipedia, link https://pt.wikipedia.org/wiki/Panda-gigante, acessado em 25/03/2016 às 19:10:

“O panda-gigante ou urso-panda (nome científico: Ailuropoda melanoleuca, do grego: ailuros, gato + poda, pés; e melano, preto + leukos, branco) é um mamífero omnívoro da família Ursidae endêmico da República Popular da China. O focinho curto lembrando um urso de pelúcia, a pelagem preta e branca característica e o jeito pacífico e bonachão o tornam um dos animais mais queridos pela humanidade. Extremamente dócil e tímido, dificilmente ataca o homem, a não ser quando extremamente irritado.”

Ah! E se quiser adotar um panda, o site da WWF pode ajudar, veja detalhes no link: http://www.wwf.org.br/participe/adote/

Bom, é isso.

Abraços a todos!

Rock OFF!!!

Kaomoji!!!

ROCK ON!      ᕕʕ ‘• ᴥ • ‘ʔᕗ

Olá leitores! Aqui quem fala é o Lucas Balaminut, diretamente da gringolândia.

Recentemente, entrei pro mestrado em uma faculdade americana. Aeeeeew! Todo mundo comemorando por mim:
♪ └(☆o★)┐ ♪  ┌(★o☆)┘ ♪ └(★o☆)┐ ♪

Pra minha surpresa, a grande maioria dos meus colegas de mestrado são… chinesas! (ノ゚0゚)ノ

Não simplesmente chineses, mas chinesas, totalizando 127 dos 145 alunos do meu programa. Visto que são maioria esmagadora, eu tive que mudar meus meios comunicativos pra poder alcançá-las quando necessário.

Se não pode vencê-las, una-se a elas! High five: ♪ヽ( ⌒o⌒)人(⌒-⌒ )v ♪

Os chineses usam um app chamado WeChat, que mistura as ferramentas do Whatsapp com a timeline do Twitter e o sistema de fotos do Instagram. Um verdadeiro balaio de gato, mas que funciona muito bem (e tem uma versão desktop decente). Porém, tanto nos grupos de conversa quanto nas conversas individuais, eu não consigo entender o que as chinesas estão dizendo. Fui surpreendido mais uma vez: isso não acontece por causa do Inglês delas, que é muito bom, mas sim por causa dos emojis, principalmente os terríveis kaomojis. (@[email protected])

Pra quem não sabe, este último é uma modalidade de emoji que usa vários caracteres para se expressar, em vez de poucos como xD ou de imagens pequenas. Eu espalhei vários nesse texto pois… que maneira melhor de ilustrar o conceito?

Veja esta lista enorme de kaomojis.

Eles não seriam problema se fossem usados apenas no início ou no final de uma conversa. Porém, as chinesas insistem em usá-los no lugar de palavras. Em vez de:

“Não entendi o exercício do professor, fiquei brava!”

Eu tenho que lidar com:

“Não entendi o _〆(。。) do (´⊙ω⊙`), fiqueiヽ(≧Д≦)ノ !”

Agora imagine um textão só disso! Profissionalismo: Onde vive? Como se comporta? Do que se alimenta? Como se reproduz? Hoje, no Globo Repórter.

Aliás, eu percebi que elas criam um kaomoji específico pra cada pessoa, como se fosse um apelido, um substantivo próprio. Sempre que se referem a este professor específico, usam (´⊙ω⊙`).
E claro, eu não escaparia dessa: \ʕ ‘• ᴥ • ‘ʔ/

Pra elas que são adéptas da cultura dos kaomojis, não faz diferença, mas pra quem não tem experiência com esse contexto, eles atrapalham a mensagem. O que era pra facilitar e simplificar, virou expressão cultural, cresceu, e agora dificulta e complica tanto a escrita (codificação) quanto a leitura (decodificação).

Se você é um amante de kaomoji e já está com tochas e forcados preparados, entenda que eu também gosto deles, mas dentro do limite do bom senso né. ๏[-ิ_•ิ]๏

Diante deste problema, gostaria de recomendar este excelente texto do Manual do Mundo sobre o assunto: As fronteiras da linguagem minimalista.

Fica a dica, e boa leitura!

ROCK OFF!

VingadoLes!

VingadoLes!

VingadoLes!

Saint Seiya, The Lost Canvas: Primeiras Impressões

Oi, pessoal!

Durante esta semana assisti aos 4 primeiros episódios dessa nova fase do anime Saint Seiya. Ainda me recordo bem o quando ansiávamos para que a saga das Doze Casas terminasse logo e bem depois disso, o quanto esperamos (anos!) pela saga de Hades. Após tudo isso, pensei que não haveria mais CDZ. Que bom que eu estava errada!

O logo não mudou muito.

O logo não mudou muito.

Também devo dizer que quando vi Lost Canvas em mangá, não gostei do traço e nem me interessei por ele. Felizmente tenho bons amigos e dois deles me incentivaram a pelo menos conhecer essa nova série: Douglas Lima e Guilherme Gameiro. O primeiro me disse que era uma história nova (eu bem que não acreditei confesso). Já o segundo, me passou os 13 primeiros espisódios animados para assistir. Comecei esta semana e vi 4. Gostei muito!

Não vou postar dados técnicos, como data de lançamento, total de episódios, preguiça de pesquisar. Quero postar minhas impressões sobre esta nova saga.

O traço fino e delicado, ficou muito bonito.

O traço fino e delicado ficou muito bonito.

Então, vamos lá?

A história se passa 200 anos antes da Saga de Seiya e Cia. O cavaleiro de Pégasus dessa época é Tenma, um jovem oriental que ainda não sei porque vive em uma cidadezinha européia na Itália. O curioso é que todos falam japonês nessa cidade, rs.

A animação está muito bonita, com traços leves, até personagens chatos como Athena e o cavaleiro de Unicórnio, conseguem ser carismáticos. Aliás, a grande surpresa está no Unicórnio, Yato. Esquentadinho, cabeça-dura, porém com um coração nobre. Lembra o Jabu, só que consegue ter um carisma que aquele não tinha.

Yato, cavaleiro de Unicórnio. Cenas engraçadas são protagonizadas por ele. Sina da armadura?

Yato, cavaleiro de Unicórnio. Cenas engraçadas são protagonizadas por ele. Sina da armadura?

As armaduras estão com um formato bem diferente também, mostrando que elas se adaptam de acordo com o cavaleiro que a veste. Temos um Pégasus de saiote e roupa vermelha, nisso acho que erraram, visto que o Tenma e o Seiya são dois caras bem diferentes, então o detalhe da roupa vermelha poderia ter sido alterado. Achei forçado o Tenma usar as faixas vermelhas nos pulsos e no braço como o Seiya.

Athena e Pégasus não estão chatos: são carismáticos!

Athena e Pégasus não estão chatos: são carismáticos!

Dohko, o cavaleiro de Libra e futuro mestre do Shiryu é um jovem, molecão e bem impulsivo, não lembra em nada o velho mestre que ficava nos Cinco Picos na China treinando o cavaleiro de Dragão, todo paciente, ponderado e sábio.

Em Jamiel, terra do futuro cavaleiro de áries, Mu, existe uma espécie de tribo/povo que são aliados do Santuário de Athena. O velho mestre de Jamiel detém o conhecimento do Sekishiki, que é a técnica do cavaleiro de Câncer, Máscara da Morte. Pelo que notei, ele possui um pequeno discípulo, mas não dizer se é o futuro Máscara ou o pequeno Mu. Ainda não vi tudo, não posso afirmar.

A esquerda, Dohko de Libra. E a direita, Shion de Áries.

A esquerda, Dohko de Libra. E a direita, Shion de Áries.

 

Até as personagens femininas estão melhor desenhadas e tem um papel maior nesta animação. Por enquanto, não vi nenhuma de máscara.

Yuzu-chan: Lembra a June Camaleão, mas não é ela!

Yuzuhira: lembra a June Camaleão, mas não é ela!

Voltando o cenário para a Grécia, podemos ver um pouco do cotidiano do Santuário, das pessoas que vivem por lá e achei isso bem bacana.

A história se passa rápido, tem um ritmo muito bom e por enquanto, sem enrolações.

Tenma e a armadura de Pégasus do século 18.

Tenma e a armadura de Pégasus do século 18.

O grande inimigo é Hades, que desperta no corpo de Alone (‘Aro-one’), amigo de Tenma. Pandora está perversa e os cavaleiros de Hades são realmente cruéis e não patéticos como na saga que conhecemos. O traçado das sapuris está muito bonito também.

Um dos servos de Hades: Kagaho. A armadura é linda.

Um dos servos de Hades: Kagaho. A armadura é linda.

A trilha sonora é nova, gostei bastante da música de abertura, o ritmo me fez lembrar algumas músicas da banda Kamelot. As músicas tocadas dentro do desenho também estão bem orquestradas e com arranjos muito bonitos.

Bom, pessoal, por enquanto é isso. Estas são minhas primeras impressões sobre Saint Seiya, The Lost Canvas. Aos poucos vou falando mais.

Dohko: esquentadinho, impulsivo e jovem!

Dohko: já usava o chapéu nessa época!

%d blogueiros gostam disto: