Mês: fevereiro 2016

Monty Python – Canal no You Tube

Rock ON!!!

Esse é um canal sobre Monty Python, grupo inglês de humor, muito famoso na década de 60/70, que ainda hoje, pasme, faz sucesso entre a moçada.

Flyingcircus_2

Achei este canal no YouTube faz uns anos e resolvi compartilhar com vocês.

Pode ser útil para alguém.

Divirtam-se.

Rock OFF!!!

 

 

A Diferentona!!

Rock ON!!!

Uma coisa que vocês talvez não saibam sobre mim é que eu adoro esses testes bestas que rolam no Facebook.

Sério.

Acho que é resquício da era dos blogs, não sei ao certo, mas eu curto mesmo essas bobagens.

Hoje fiz um chamado:

A sua frase Diferentona.

O resultado não podia ser mais cômico:

 

DIFERENTONA

 

Curupira e Miss Alface, orra, vou rir disso até o final da vida, galera, sério!

Estarei trabalhando, analisando um relatório crítico e de repente virá à mente:

Curupira… Miss Alface… *aquela voz estilo Saruman*

E BOOOM!

Explodirei em risos! Muitos risos mesmo!

Bom, é isso que eu queria compartilhar com vocês hoje.

 

Ah, claro, eu como carne, mas não sou carnívora. Como todo ser humano, sou onívora. 😀

Adoro churrasco, hamburguer, um filé mignon, uma medalhão ao bacon… hmmm

 

Rock OFF (antes que eu babe no teclado ou saia para jantar de novo!)

Chuva em SP!!!

Rock on!!!

We are fucked! fucked! fucked!

A 5ª Onda – Assista esse Filme!

Rock ON!!!

 

Fala, galera, tudo bom?

Ontem saí para levar minha mãe para ir ao cinema assistir Deadpool, na última sessão e como estava lotada, restaram duas opções: assistir um filme brasileiro cópia de filme do Adam Sandler com o ator fazendo um monte de papéis ao estilo Eddie Murphy, só que ruim; ou assistir ao filme A 5a Onda. Pelo título você já sabe qual fomos ver.

 

Já tínhamos visto o trailer quando assistimos Star Wars e achamos interessante, mas nada que chamasse atenção para ir ao cinema ver esse filme especificamente. De fato, gostaria de assistir O Regresso, com o Di Caprio e Creed com o Stalone, mas enfim, a 5ª Onda apareceu na minha frente.

poster

Sala lotada no Cinemark do Shopping D, pegamos lugares na 4ª fila, cadeiras 12 e 13, ou seja, bem na frente da tela. Prefiro ver mais lá pra o meio do cinema, mas enfim, era o que tinha, longe das pessoas.

Pode ler que este trecho não tem spoiler e quando tiver, vou avisar.

coronel

O filme começa, num local que parece cenário de The Walking Dead e temos como protagonista uma garota lourinha que conta o início de sua trajetória até aquele ponto.

A narrativa decorre rapidamente, ela conta como a humanidade foi para merda, a sequência de eventos, as chamadas ondas, são contadas de um jeito muito legal e com um excelente ritmo. As cenas de destruição são maravilhosas e a galera de visual effects trabalhou muito bem, porque ficaram bem reais mesmo.

 

Lembrem-se, é um filme, não tem nada a ver com Crepúsculo, como eu li por aí. Lembra vagamente Divergente, acho que só o fato da humanidade ter ido para as cucuias e de ter vindo de um livro.

Não sei se parece jogos Vorazes, pq não vi esse filme.

A fotografia do filme é muito bonita, as atuações também estão bem legais. Dá para empatizar fácil com a guria e com os demais personagens da trama, odiar outros, ficar com medo, tensão e até rir um pouquinho, sem besteirol, claro.

Vale o ingresso, o filme é longo, leve água e pipoca.

Sério, não se deixem levar por opiniões idiotas por aí, o filme não é para Oscar, mas vale a diversão que ele causa, a ideia é muito boa, o roteiro tem alguns probleminhas, tem sim, mas dá para passar por cima disso sossegado, afinal, é um filme.

 

Daqui para frente pode ter spoilers, mas são leves.

sam

A família da garota é apresentada, mostra que ela é uma boa filha, que vai para festinha, tem um paquerinha (um garoto Cigano Igor, isto é, com uma expressão facial apenas) mas chega no horário, gosta do irmãozinho, enfim, nada de anormal.

Até que um belo dia, aparece uma nave gigantesca, pairando nos céus e que bota a galera em situação de alerta. Sinceramente nessa parte acho que a história come bola, porque a NASA fica apenas monitorando aquela coisa gigante passeando pelo céu. Acredito que se algo desse porte acontecesse mesmo, teriam bombardeado aquilo até não poderem mais.

Aquela nave fica lá e por incrível que parece, as pessoas continuam levando sua vida normalmente! Claro, alguns mais espertos se mudam. Mas nem as escolas fecham! Pow!

E é na escola que tem uma das cenas mais legais do filme, que não vou contar, mas deixarei a pista: faz um Ka-Boom fantástico!

Bom, depois disso, acontecem outras tragédias devido às ondas, e a guria e sua família vão parar num campo de refugiados, onde o pai dela lhe dá uma arma e um curso relâmpago de como manejar a mesma. Eu não aprendi. Não sei como a menina aprendeu, enfim, é filme, né?

Aí um belo dia, aparecem os militares, separam as crianças dos pais: meninada no ônibus e pais no refeitório. Daí a gente que conhece algo sobre história do nazismo sabe o que acontecem com os pais, né?

Mas o Sam, irmão da guria, esquece a porra do ursinho no quarto do acampamento. E ela, trouxa, vai lá buscar e perde o ônibus.

Aí ela foge para floresta e tenta achar o acampamento dos militares.

 

Grandes Spoilers a partir daqui:

cloe

Ela está naquela rodovia do começo de The Walking Dead, toma um tiro e o galã da história a salva, faz curativo e a partir daqui o filme perde ritmo e fica fazendo marolinhas. Ela vai atrás do irmão e o cara vai junto, sim, ele já está apaixonado por ela.

Paralelamente a isso, descobrimos que as crianças todas estão sendo transformadas em soldados e recebendo treinamento militar para acabar com os alienígenas e vc para e pensa: WTF??? Por que os militares dispensam adultos sadios e com algum treinamento militar prévio para se dedicar às crianças? Fica no ar a pergunta.

Lá vemos que o paquera da guria ainda está vivo, ganha o apelido de Zumbi e vira chefe de esquadrão, com mais meia dúzia de outros guris com apelidos como Dumbo, Teacup etc.

Aí introduzem naquele pelotão a personagem gótica, que já chega chutando bundas e que notamos que vai ter um romance com o Zumbi.

Corta para floresta, a guria e o Evan, nome do cara que a salvou, estão num carro abandonado para passar a noite e ela… bom, acontecem coisas e ao amanhecer, mais coisas!

 

Spoilers Kaijus daqui para frente, se não parou de ler e quer ver o filme, a hora de parar é agora! Chispa daqui!

WAVE

Vamos começar com o Trailer, que é o spoiler master:

 

Bom, Descobrimos que Evan tem sangue alien, ele é misturado, gente, afinal, na briga com uns caçadores que estão a serviço dos Outros (é assim que chamam os aliens) porque estão dominados por eles, esse garoto, o Evan, dá uns pulos ao melhor estilo Marvel e é porradeiro também. Ok, já tínhamos visto numa cena que o visual lenhador dele não era por nada.

Porrada vai, porrada vem, a guria sabendo que ele é um deles, fica puta, aponta a arma para ele, discute, segue sozinha para a base militar.

Invade a base, acha o ex-paquera, pega o irmãozinho, nisso, bombas explodem e é o Evan que as plantou, o Coronel manda evacuarem a base, levar as crianças em aviões cargueiros para o que ele chama de ‘O País das Maravilhas’ (Ou terra das maravilhas, não lembro), aquela loucura toda, bomba para tudo quanto é lado e pronto!

 

Conseguem fugir da base a garota, o seu ex-paquera, o irmãozinho e o ursinho, claro, resgatados pelo esquadrão do Zumbi, que havia ficado num trecho de uma cidade, porque eles foram mandados para matar os aliens, mas eles descobrem que na verdade, estão exterminando o que resta da humanidade! Os aliens são o exército!! Tadaaaaaa!!!!

Putz! Mas eles descobrem a tempo, se livram dos chips de ‘sei lá o que’  que recebem quando ingressam no exército. Daí o Zumbi diz que deixou o Sam na base, amarrado, pq ele era muito pequeno. Sim, ele ficou com pena. Então agora temos a missão de resgate e por isso o Zumbi voltou para base sozinho e posteriormente foi resgatado com a guria e o Sam de lá, por eles, num veículo dirigido loucamente pela gótica! Aha!!!

Se eu contasse isso antes, seria um puta spoiler.

Bom, eles saem da base que ficou explodindo, não temos mais notícias do Evan, e o filme termina com a gurizada comendo algo em volta da fogueira e combinando de achar o resto das crianças. Sobem os créditos e fim! WOW!!!

 

Aqui ainda tem spoilers Kaijus:

ursinho

E esse foi o filme. Achei divertido, empolgante em alguns momentos, completamente parado em outros.

Vale o ingresso no cinema pelas cenas iniciais, que são de tirar o fôlego mesmo. A queda do avião, as tsunamis e terremotos são incríveis, bem como a parte que a H1N1 modificada se espalha e mata a galera, inclusive a mãe da guria, são ótimas produções.

A parte da morte do pai, é muito tensa, você sente junto o desespero com a garota, é uma boa atriz.

As cenas de pancadaria dela também são muito boas, aí você se lembra que ela é a Hit-Girl do Kick-Ass e pronto, natural aceitar que uma adolescente que tinha uma vidinha comum é fera em luta. ehehehhe

 

Bom, é isso, espero que gostem do filme, que assistam e tenham bons momentos de diversão.

gotica

 

Para ver a lista completa do elenco, aqui está o site do IMDB.

 

Rock OFF!!

 

Perguntas Transcendentais Sem Respostas “por Definição”

ROCK ON e apertem os cintos. Aqui é o Lucas Balaminut, e hoje o papo é de maluco.

Há números chamados de Números Transcendentais.

Em uma definição formal [chata e difícil de entender], um Número Transcendental é um número real ou complexo que não é raiz de nenhuma equação polinomial a coeficientes racionais. Logo, um número real ou complexo é assim transcendental somente se ele não for algébrico. Por consequência, esses números são irracionais e não podem ser escritos na forma de fração. [Não falei que era chato?] Todavia, não poder ser escrito em forma de fração é apenas a ponta do iceberg, a casquinha da ferida. O problema é muito mais profundo.

A parte fascinante é que estes números têm esse nome porque simplesmente transcendem a lógica. De forma simples: não há explicação lógica que podemos construir para eles. Não há nenhuma maneira de descobrir o seu verdadeiro valor usando a lógica ou coletando conhecimento do universo. O melhor que podemos fazer é aproximá-los, ou melhor dizendo, aproximar o nosso conhecimento à eles.

São números como
Ω: a constante de Chaitin, ou constructo de Chaitin, que indicaria a probabilidade de um programa de computador parar, se não fosse incalculável.
π: a circunferência de um círculo dividida pelo diâmetro do mesmo;
e: a constante de Euler, de tal forma que para todo valor x de e^x, a inclinação da curva também é o resultado de e^x;

[Como se isso por sí só já não fosse bizarro, e elevado à qualquer potência algébrica diferente de zero gera um outro número transcendental. Diferentemente, que tal elevar um transcendental à outro transcendental? Vamos tentar com os mais famosos: e^π também é transcendental]

Além de tantos outros, como qualquer número algébrico diferente de 1 e 0 elevado à qualquer número algébrico irracional.
Por exemplo: 2^(2^(1/2)) [leia: dois elevado á raíz de dois].

Nenhuma construção lógica nunca vai encontrar estes números. Bizarro? Com certeza. A parte mais maluca é que, usando a própria lógica, podemos provar que nunca vamos encontrá-los através de lógica. Podemos provar de forma lógica que eles não pertence à lógica. Podemos provar que mesmo se reunirmos todo o conhecimento em todo o universo e construirmos um computador infinitamente inteligente, este ainda não vai encontrá-los.

Existem regras universais; chamamos estas de lógica. Através deste processo, podemos validar uma verdade através de outras verdades. Um exemplo simples:

Se A > B e B > C
Logo A > C

Estamos intrinsecamente aprisionados à lógica. Tudo no universo respeita suas regras. Todavia, não podemos descobrir todos os fatos do universo através da mesma, como se fôssemos fundamentalmente impedidos de encontrar esses fatos, essas verdades. Existe a lógica e existem os números que a transcende, os números transcendentais. É uma tentativa fútil tentar encontrar esses número? Talvez sim, uma vez que, por definição, não podem ser encontrados por nada que temos ou possamos ter. No entanto, ainda é divertido tentar. O recorde de casas decimais do π já alcança trilhões de dígitos. Quanto mais tentamos aproximar o nosso conhecimento à estes, mais evidente se torna que os mesmos são fundamentais, partes de algo diferente daquilo que estamos aprisionados, mais evidente fica que estamos separados deles por uma barreira fundamental. Simplesmente não pertencemos ao mesmo domínio.

Aqui vai um paradoxo divertido para você:

Uma consequência é gerada por uma causa. Por sua vez, essa causa é a consequência de uma outra causa.
Isso gera uma corrente infinita de causas -> consequências.

Causa(A) -> Consequência(b)
Consequência(b) = Causa(b)
Causa(b) -> Consequência(c)
Consequência(c) = Causa(c)

Se cada consequência tem uma causa, deve haver uma maneira de reunir conhecimento suficiente para rastrear todas as causas e as consequências até…. até aonde? O que existe no começo? Existe um começo? As causas e consequências formam uma corrente infinita, sem começo? Ou seria um círculo? Se é um círculo, o que gerou o círculo antes mesmo dele existir? Se não há começo, o que as causou primeiramente? Se há começo, seria este os números fundamentais? Se estes são o princípio, eles não teriam causa também?

Algo que é impossível por todas as maneiras universais de ser rastreado à sua causa é definido como aleatório. O único processo verdadeiramente aleatório que sabemos é a o colapso da função-de-onda que gera a posição de uma partícula. Quando uma função-de-onda de partículas se colapsa, a posição da partícula é aleatória e não pode ser definida de nenhuma forma, nem mesmo usando a própria função que se colapsou. Há algo como isso no reino da lógica e dos números? Seriam os números transcendentais aleatórios?

Mesmo algo aleatório tem uma origem, que não necessariamente o causa, mas que simplesmente não pode ser rastreada por conhecimento ou lógica. Se os números transcendentais são aleatórios, eles tem origem? E essa origem, tem uma causa também?

No final das contas, os números transcendentais não resolvem nosso paradoxo. Eles simplesmente não fazem parte da corrente de causas e consequências. Então, se não são causa nem consequência, o que são? Como podem existir simplesmente por… existir?

Pode algo existir simplesmente por que existe? Pode algo existir sem fazer sentido, sem ser lógico?

Isso traz um contra-ponto também interessante: por que a lógica existe? Pode algo existir só por que faz sentido?

Ambas as perguntas partem de dúvidas ainda mais fundamental: o que é existir? Por que as coisas existem?
O simples fato de ser lógico é suficiente pra existir? O simples fato de não ser lógico impede que algo exista?

E a nosso paradoxo fica sem resposta, pois se cada consequência tem uma causa, e esta causa é a consequência de uma outra causa, podemos sempre nos perguntar: qual é a causa que veio antes da consequência(x)?

Isso significa que podemos rebobinar o universo pra sempre?
Valores fundamentais, tais como números transcendentes são uma maneira de resolver esse paradoxo?

Sobro verdades fundamentais:

Tudo no universo pode trazer dados que podem ser escritos de forma coesa como informação. Podemos simplesmente escrever tudo como informação; todavia, para isso, precisamos de um código. Um código é uma forma estruturada de armazenar informação e coordenar relações lógicas. Um código usa símbolos que tem definições pré-estabelecidas. Estes símbolos seguem um padrão, ou uma regra [ou um grupo de regras/padrões], que codifica e decodifica a informação. Podemos construir um código com muitos símbolos para facilitar o cálculo de decodificamento. Ou podemos reduzir este código à quantidade mínima de símbolos possíveis. Podemos escrever um código com 5 símbolos, 3 símbolos, 2 símbolos…. será que da pra escrever um código com apenas 1 símbolo?

Tente imaginar um código com apenas 1 símbolo: a letra X.
Digamos que, nesse código, a palavra “abacaxí” seja representada por X.
A palavra “banana” então, não pode mais ser representada apenas por X, pois este já tem um significado; porém, como só podemos usar o símbolo X, a única forma de representar “banana” usando apenas X sem que o significado do mesmo fique dúbio é acumulando mais um X. Logo, “banana” é representada por XX. E assim vai… [imagina o que será XXX?  ( ͡° ͜ʖ ͡°)]

Este código é… inútil. Ele não teria como ser decodificado pois nunca saberíamos se XX significa “banana” ou “abacaxí abacaxí”. XXXX pode significar tanto “banana banana” quanto “abacaxí banana abacaxí”, quanto “abacaxí abacaxí banana”, quanto “banana abacaxí abacaxí”. Pra que um código seja útil, precisamos poder separar uma representação da outra. Logo, a quantidade mínima de símbolos que podemos usar em um código é 2. Um código com 2 símbolos é chamado de booleano.

Tudo, absolutamente tudo no universo pode ser escrito em código booleano. Isso significa que, conforme exploramos as regras e estruturas do universo, e as decompomos em outras regras e estruturas mais básicas e mais fundamentais, podemos chegar na estrutura mais básica de todas, com pelo menos duas existências. O universo tem pelo menos duas entidades, duas verdades, duas existências, duas coisas fundamentais, duas… coisas! Chame do que quiser. Aqui vale lembrar da importância do temor “pelo menos”. Nada impede que sejam mais que duas entidades, como três, quatro, cinco, etc. De qualquer forma, o universo é pelo menos booleano.

Não temos como saber o que essas duas “coisas” são. A coisa e a não-coisa. Uma não é a outra, e a outra não é uma, pois elas necessariamente tem que ser diferentes de alguma forma para poderem se diferenciar e, com isso, montar estruturas mais complexas.

Aqui vai a pergunta final: seriam os números transcendentais essas “coisas”, as existências mais básicas que compõe as estruturas de nível mais fundamental do universo?

Não fique atento nesse mesmo horário, nesse mesmo canal, pois simplesmente nunca iremos descobrir a resposta, por definição.

ROCK OFF.

FINAL DISASTER: Banda anuncia nova formação!!

Rock ON!!!

 

Notícia fresquinha da Banda Final Disaster para vocês, queridos leitores e fãs!

 

 

A banda paulistana Final Disaster anunciou mudanças em sua formação. O guitarrista Caio Botrel foi substituído por Rodrigo Alves (No Way) e o baterista Felipe Coutinho por Bruno Garcia (Unheld). Ainda, para dar mais peso ao som, entraram, Daniel Crivello (Hellarise) na guitarra e Felipe “Kabeça” (No Way) no baixo.

Final Disaster - promo1
​(foto: Tamira Ferreira)

Sobre sua saída, Caio se pronunciou:

“Após dois anos de dedicação, diversão e companheirismo, infelizmente estou deixando o Final Disaster por questões pessoais. Obrigado a todos que nos acompanharam durante esse período por todo o suporte! You Rock! Obrigado aos meus companheiros de banda!”

Em breve as fotos promocionais estarão disponíveis nas redes sociais da banda.

E a banda continua divulgando seu lyric video FINIS HOMINIS  que estará em seu próximo EP, cujo título ainda não foi divulgado e em breve entra em estúdio para a gravação de mais uma faixa.

Link Para o single: https://www.youtube.com/watch?v=vB-U6ysgxRo 

Facebook: https://www.facebook.com/FinalDisaster

Instagram: @finaldisasterofficial

A banda está disponível para entrevistas por e-mail e/ou pessoalmente.

Abaixo o clipe para vocês curtirem o som da banda!

Obrigada, Sygrid, pelo email!

Rock OFF!!

Zika!!! Cinco Vídeos Que Você Precisa Ver!

Rock ON!!!

 

Cansei de ver vocês espalhando boatos na minha Time Line e no mundo. Sério, vocês parecem que não sabem procurar informação, acreditam em tudo o que dizem! Chega! Já deu!!

Separei 5 vídeos que você precisa assistir para parar de falar bobagens por aí sobre o Zika!

Vamos lá!!!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Bônus – Atualizado em 11/02/2016 às 20:44:

Site Gene Repórter: Mitos sobre o Zika.

Site Gene Repórter: Microcefalia – casos descartados.

Site E-Farsas: Vacina contra rubéola

Site E-Farsas: Zika criado em laboratório

 

E como combater o zika?

Fácil!

 

Limpe o seu quintal, remova potes, pneus e qualquer coisa que possa juntar água.

 

 

Rock OFF!!!

 

Ache o Erro!

Rock ON!!!

Valendo um parabéns, ache o erro na imagem abaixo:

 

gripe

Tá bem fácil.

 

Rock OFF!!!

CIVIL WAR – Versão Brasileira Ai Meu Deus, São Paulo!

Rock ON!!!

 

A ideia surgiu de uma conversa com a minha mãe.

GARANTIDO-CAPRICHOSO

 

E aí?

Já escolheu?

 

 

Agora convenhamos: ficou perfeito, né?

Rock OFF!!!

Jurassic Priss!!!

Rock ON!!

Galera, visitei o Shopping D dia 04 de fevereiro e vi uma exposição incrível sobre dinossauros!

Daí fiz um filminho, editei bem meia boca mesmo e joguei pro you tube.

 

Eu sempre gostei muito de dinossauros, sempre colecionei revistas sobre o assunto e só não fui estudá-los porque me desviei do assunto! Pronto, assim, bem simples mesmo. Mas continuo gostando do assunto e lendo sobre ele.

Essa exposição me lembrou muito de uma que minha mãe me levou para ver quando era pequena, eu deveria ter uns 8 a 10 anos, foi no Shopping Eldorado. Longe para caramba aqui de casa e uma exposição bem cara se bem me lembro. Mesmo com todas essas adversidades, minha mãe me levou lá e eu vi dinossauros se mexendo! UAU!!! Como eu amei aquilo!

Bom, essa nova exposição do Shopping D me fez lembrar daquele passeio e ainda fico muito maravilhada com esses seres  que  habitaram nosso planeta, embora alguns duvidem disso e achem mais fácil acreditar que somos parentes de tijolos e telhas. Enfim, né?

O vídeo que eu fiz está aqui:

 

E como visitei a exposição novamente no dia 06 de fevereiro com alguns amigos, surgiram algumas dúvidas durante os debates que tivemos e resolvi agregar a este post alguns vídeos sobre o assunto.

 

Sobre Fósseis e a galera das telhas:

 

Diferença entre Paleontologia e Arqueologia:

 

Batalha de Dinossauros

 

Aves do Terror:

 

O que é o Jurássico? (em espanhol, mas tá fácil de entender)

O último dia dos Dinossauros:

 

Agora chega, né???

Tem bastante vídeo sobre dinossauros para vocês verem aí! 😀

E é isso, pessoal!

Rock OFF!!!

A Incrível História do Astronauta que Morreu Duas Vezes!!!

Rock ON!!!

 

E lá estava eu lendo a notícia da morte do Astronauta Edgar Mitcthell, quando descubro acidentalmente que o Sheppard morreu duas vezes, segundo fontes do G1:

sheppard

Vale ler a notícia completa no G1: Morre Edgar Mitchell, astronauta americano que caminhou na Lua.

É, 2016 não tá fácil… e o G1 ainda comete essa gafe.

Ah é, quem faleceu em 1994 Stuart Roosa, aos 61 anos.  Alan Sheppard em 1998, aos 71 anos. E como eu descobri? Simples, usei o Google e pesquisei.

Quem será Roose Shepard afinal?

 

Para saber mais sobre esta missão, deixo o link da Nasa sobre a missão Apollo 14.

 

 

Descansem em paz, desbravadores:

apollo-14

É isso, Rock OFF!

Digitei Megatron no Google e o Resultado foi Incrível!

Rock ON!!

Digitei Megatron, que é nome de um personagem dos Transformers, lá no Google e a resposta foi inacreditável.

Sério, eu não esperava ver o que vi como resultado e você pode fazer o teste também.

O acesso foi feito hoje, dia 05/02/2016 por volta das 00:15.

 

 

megratron

Achei completamente divertido que o dono dessa empresa a nomeou como Megatron, o vilão dos Transformers. Ou seria uma dica para o próximo filme? Será??

O que vocês acham?

Deixem aí nos comentários.

 

Rock OFF!!

O Dia da Marmota!!!

Rock ON!!!

O Dia da Marmota movimentou minha TL hoje no Twitter.

Mas o que é esse dia afinal de contas?

Bom, para começar, é coisa do povo dos Estados Unidos, acontece lá na Pensilvânia e tem a ver com a duração do inverno.

Ocorre que as marmotas passam por um período de hibernação no inverno e até dá para entender, afinal, faz frio para caramba lá, neva, elas não têm video-games e nem Netflix para se divertir, então o melhor é ficar dormindo mesmo.

Daí, a marmota que não é boba nem nada e não tem um bom despertador, dá aquela acordadinha antes do inverno acabar. Sai da sua toca e pronto, lá ela decide se volta a dormir ou não.

Natural, né? Bom, era, daí o ser humano, repara que todo ano que a marmota sai da toca e a sombra dela aparecer no terreno, isso significará mais 3 semanas de inverno!!! UAU! Mas só vale se for no dia 02 de fevereiro, né? Completamente baseado em faltas de evidências científicas, mas fundeada na mais pura brincadeira, o costume perdurou até os dias de hoje, passados já quase 130 anos desde a primeira marmota observada saiu do buraco para dar uma voltinha.

Bom, agora que estão contextualizados com o Dia da Marmota, o zumzum todo no Twitter hoje pela manhã me fez lembrar que algumas das pessoas que estavam desejando ‘feliz dia da marmota’ foram as mesmas que no Dia de Halloween, outro dia de festa dos Estados Unidos, eram as mesmas pessoas que GRITAVAM POR AÍ que o certo era comemorar o DIA DO SACI, que foi definido em lei, aqui no Brasil, como sendo em 31 de outubro. Coincidências, né?

BOM… daí soltei no Twitter uma frase, que foi crescendo e crescendo (uns 4 ou 5 posts de altura) e daí resolvi fazer esse post com a imagem, só para expressar o meu apreço pela institucionalização do DIA DA PACA.

Pelo puro e simples prazer de brincar.

 

DIADAPACA

 

Bom, é isso, pessoal.

Agora, se vcs quiserem brigar pelo Tatu, já digo que ele teve a vez dele na COPA e foi aquele fracasso.

E relembrando: Paca, Tatu.

(quem pegou, pegou)

 

PS.: e o medo de confundir Halloween com Helloween???? Foi demais aqui!

Um site para vc aprender mais sobre o Dia da Marmota.

Rock OFF!!!

%d blogueiros gostam disto: