Mês: janeiro 2012

Roosevelt, The Hard Rock Band!

Rock ON!!!

Um dos propósitos deste blog é comentar sobre shows, afinal, o nome é Rock Me ON!!! Ou seja, não falar de pelo menos uma banda por ano chega a ser um verdadeiro sacrilégio musical!

Bom, para não deixá-los famintos, vou falar de uma banda, que ainda não é famosa, mas que pelo que vi, tem tudo para estourar e se tornar um verdadeiro monstro nas paradas! Ok, talvez eu exagere um pouco, mas os caras são bons mesmo!

Estou falando da banda Roosevelt THRB, The Hard Rock Band! Ok, uma banda com nome e sigla não é todo dia que se vê e para ser sincera, no momento não me lembro de nenhuma outra que tenha isso! Mas enfim, vamos ao que interessa: o que essa banda tem de tão especial e como foi o show?

Guardem bem essa imagem!

Guardem bem essa imagem!

O show, primeiro do ano, aconteceu dia 15 de janeiro deste ano, no Snooker Rock Bar, lá na Alameda dos Aicás, 1245, que fica em Moema. O resto você procura no Mr. Google, ok?

O lugar tem um ambiente amigável, muito bacana para passar o tempo, um barzinho com sinuca e um serviço de mesa muito bom. Foi difícil manter o copo vazio, se dependesse do garçom, acho que voltaria de ambulância para casa, rs. Os preços são um pouco salgados, quando comparados aos do Black More, uma casa de Rock da região, mas enfim.

Local pequeno, mas bacana!

Local pequeno, mas bacana!

Para esta aventura contei com a companhia de minha amiga Helen e do Arthur, seu marido, que chegou atrasado e perdeu dois blocos de show! Aham, a banda se apresentou das 19h às 22h, perfazendo um total de 3 blocos musicais, com intervalos médios de 15min, afinal, eles são humanos e merecem descansar, né?

O convite para ver a banda partiu de meu amigão, aliás, primaaaão, o Marcus, batera da Roosevelt, que diga-se aqui, quando o conheci no SENAI, apenas dizia que quando acabássemos o curso, que iria tocar bateria. E eu sequer podia imaginá-lo numa, afinal, quase 2m de altura, como pode??? WTF, enfim, ele fez e agora toca muito bem!

Marcus Quintella, o baterista!

Marcus Quintella, o baterista!

Aliás, tão bem que fica difícil imaginar que em apenas 2 anos de estudos já esteja num nível muito bom. [Não infle seu ego, você ainda não é um Aquiles Priester, mas um dia chega lá! Rs]

A banda ainda é composta por dois guitarristas, o base Alan Simon Bravo e o solista Dido Gunner, o baixista oficial e que no dia encarou o back vocal por estar impossibilitado de tocar, Menson Cerri, o baixista convidado, Daniel Villiger Silveira e o vocalista Lucas Zeni Melo [em tempo, esta semana foi anunciada a sua saída da banda, que já procura um substituto!]

Roosevelt THRB!

Roosevelt THRB!

Contando com um público pequeno, mas cativo, formado por familiares e amigos, a banda iniciou o show com o seguinte set list:

Nightrain [Guns N’ Roses]
Detroit Rock City [Kiss]
Rock You Like a Hurricane [Scorpions]
Sweet Child o’mine [Guns N’ Roses]
18 an Life [Skid Row]
Smoke on the Water [Deep Purple]
Knocking on the Heavens Door [Guns N’ Roses]

Confesso que fiquei perdida nas músicas do Guns N’ Roses, nunca fui fã deles, mas uma ou outra eu já tinha ouvido, né? Rs. Gostei muito de Detroit Rock City e acho que eles deveriam ter aberto com esta música, pois o público também vibrou mais com esta, afinal, trata-se de um clássico!

Galera mostrando para o que veio!

Galera mostrando para o que veio!

O áudio estava bom, mas os vocais ficaram abafados neste primeiro bloco e mal se ouvia o Lucas. Dei um toque nisso para o Marcus e do segundo para o terceiro bloco, fizeram os ajustes necessários.

É diferente tocar para um ambiente vazio e para outro cheio, podem ter a falsa impressão de microfonia ou ecos indesejados, por isso, quando as bandas crescem, digamos assim, é necessária a presença de um técnico de som, para que ele vá ajustando o áudio à medida que decorre o evento. Sim, meus caros, Rock Me ON!!! Também é informação! Rs

O ângulo que peguei as fotos não estava bom. Mas o show foi ótimo!

O ângulo que peguei as fotos não estava bom. Mas o show foi ótimo!

Uma das coisas que gostei nesta banda e que pouco vejo em bandas brasileiras é a ‘presença de palco’. Não sei por quê, mas o metal brasileiro toca duro, como se estivessem fincados no chão e como se isso fosse regra.

A Roosevelt teve uma boa presença de palco, apesar de não haver um, rs, afinal, estavam no mesmo patamar do público, mas por seu desempenho, conseguiram criar um ‘palco virtual’ por assim dizer e me impressionaram bastante com uma performance similar a que eu vi da banda finlandesa Tarot.

Da esquerda para direita: Marcus, Daniel, Menson, Simon e Dido. O vocal... bem... o vocal saiu! [tadá-tum-tiss!!!]

Da esquerda para direita: Marcus, Daniel, Menson, Simon e Dido. O vocal... bem... o vocal saiu! (tadá-tum-tiss!!!)


Por apresentar um show cover, estavam bem ensaiados, não percebi notas erradas [e olha que sou crica para isso! Peguei notas assim até do Rafael Bittencourt e do Confessori!]. Tocaram com coerência, sem perder a cadência, souberam e respeitaram cada música. Isso é ótimo para os fãs!

O segundo bloco, em minha opinião foi o melhor, pois contou com:

Forever [Kiss]
Back in Black [AC/DC]
Dr Feel Good [Mötley Crüe]
Even Flow [Pearl Jam]
We All Die Young [Steel Dragon]
Fall to Pieces [Velvet Revolver]
In a Darkened Room [Skid Row]

Daniel, o Baixista  convidado: categoria e estilo!

Daniel, o Baixista convidado: categoria e estilo!


Claro, para variar, um setlist desconhecido para mim, porém foi o que mais gostei! Só acho que deveria ter mais do AC/DC… claro, to puxando brasa pro meu peixe! Gosto não se discute!

Neste ponto seria de se esperar músicos exaustos e a qualidade caindo, mas não com a Roosevelt: o pessoal estava com muita energia e cheio de vontade para entrar para o terceiro bloco!

O atual ex-vocalista Lucas e o guitarrista Alan Simon.

O atual ex-vocalista Lucas e o guitarrista Alan Simon.

Lá fora chovia, tempinho chato para caramba e finalmente chegou o Arthur, esposo da Helen, todo molhado, para curtir o último bloco.

Arthur ficou impressionado e elogiou bastante a banda. Helen também curtiu, diga-se de passagem, adoramos o programa diferente!

Para fechar a noite, de domingo e nos preparar para uma segunda-feira complicada, afinal, acordar cedo e trabalhar depois de uma noitada dessas fica bem complicado, temos o setlist do terceiro bloco composto por:

Don’t Cry [Guns N’ Roses]
Fool for Your Loving [Whitesnake]
Dream On [Aerosmith]
We’re Not Gonna Take It [Twisted Sister]
Breaking the Law [Judas Priest]
You Give Love Bad Name [Bon Jovi]
Paradise City [Guns N’ Roses]

Preciso dizer? Então, pulando a parte do meu desconhecimento musical [preciso ampliar meu setlist particular!] foi uma apresentação tão boa, tão bacana e legal que quando, timidamente o vocalista anunciou o fim do show, a casa veio abaixo e o povo pediu bis!!! E teve seu bis! E agora nem me lembro mais o que cantamos, rs!

Mas sei que gostei muito do que vi e até ganhei a palheta do solista Dido [valeeeu! 0/] que está junto com minhas outras palhetas de: Zack Hietala, Felipe Andreoli, Ricardo Primata e Rafael Bittencourt. Uma coleção pequena, admito, mas de peso!

A Banda Roosevelt merece ser vista, então fiquem ligados na agenda deles pelo Facebook: http://www.facebook.com/Roosevelt.THRB?sk=info e acompanhe sua performance no canal do Youtube: http://www.youtube.com/user/BandaRooseevelt/featured e torçam para que consigam um novo vocalista logo!

Ainda estão no começo, mas já têm um bom material e um estilo que precisa ser desenvolvido em conjunto, talvez o grande segredo das maiores bandas seja este: ser um grupo que goste daquilo que faz, que faça com alegria e diversão, mas que sobretudo entendam que o que possuem é um negócio e como tal, se administrado com cuidado, irá gerar muitos lucros!!! Mas até lá, a caminhada será longa, portanto, não desanimem e Keep Rock Rocking Roll!!

Se beber, não dirija! Por isso eu fui de metrô! Olha o sacrifício!!! Eu  usando o transporte público!!!

Se beber, não dirija! Por isso eu fui de metrô! Olha o sacrifício!!! Eu usando o transporte público!!!

É isso! Espero que tenham gostado, um post rápido, mas sincero e honesto.

Rock OFF!

—-
Galeriazinha para vocês:

This is Sparta!!!

Rock ON!!!

Para descontrair, uma fotinho de um artigo que encontrei no mercado!

This is Sparta!!!

This is Sparta!!!

Lanterna Verde!!!

Rock ON!!!

Oi, galera! Hoje assisti ao filme do Lanterna Verde e resolvi fazer uma resenha. Merece, afinal, tinha grandes espectativas sobre este filme.

Lanterna Verde, hoje destrinchado no Rock Me ON!!!

Lanterna Verde, hoje destrinchado no Rock Me ON!!!

Antes, gostaria de dizer que gosto muito deste personagem, lembro de ter lido algumas histórias com ele durante a minha infância. Não sou uma fanática pelo Lanterna, eu analisei o filme do ponto de vista de alguém que apenas gosta de cinema. Ou seja, se você ainda não entendeu, não vou julgar o filme: se está de acordo com os quadrinhos ou não, vou apenas analisá-lo como fonte de entretenimento. Se veio aqui em busca de comparativos, esta é sua chance de cair fora, senão, acomode-se na cadeira ou cama e continue lendo.

Hal Jordan: Lanterna Verde

Hal Jordan: Lanterna Verde

Estou decepcionada com o filme: a história é fraca, o enredo mal dirigido e sem ritmo! Se você achou Thor meio parado algumas vezes e com um andamento esquisito, vai se irritar com o Lanterna Verde.

Sinestro: não tenham raiva dele!

Sinestro: não tenham raiva dele!

A história estava tão parada, mas tão parada, que após ver 1h14 do filme, parei, desliguei e fui dormir. Nem com o filme do Hulk fiz isso! Para vocês terem idéia da lerdeza do andamento dessa história. Isso foi na quinta-feira. Pulei a sexta e apenas hoje, sábado, continuei a ver o filme.

Um filme parado.

Um filme parado.

Uma história parada, onde nada acontece, com diálogos frouxos, nossa, que desestímulo! Apenas quem é realmente fã do Lanterna agüentaria ver o filme. Ainda bem que não fui ao cinema vê-lo, senão teria saído decepcionada e querendo meu dinheiro de volta!

O elenco é formado por uma trupe de desconhecidos, exceto Tim Robins, que faz uma ponta. Mas é só. Fraco. O ator que faz o Lanterna até se esforça, mas não convence como herói. O vilão Hector é feio de doer e tem uma quedinha pela mocinha, que faz aquele papel de que gosta do Hal Jordan [Lanterna Verde] mas que não admite por que é durona.

Este é o vilão do filme.

Este é o vilão do filme.

A trama política é mal desenvolvida, podiam ter trabalhado isso e daí seria um filme um pouco melhor.

O QG dos Lanternas também possue uma construção ruim, com cenas muito picotadas. A tesoura trabalhou bem na edição, só que deixou muita coisa sem nexo e sem razão de existir, como o treinamento do Hal Jordan, que foi curtíssimo, ou ainda o fato dele vira e mexe dar um pulinho até lá, como quem saí de São Paulo e desce para o litoral: vou alí e já volto! Pô! Isso insulta o telespectador!

ao Hal.”]Tomar Re: ensina muitas coisas [que foram cortadas pela edição] ao Hal Jordan!
Mas será que nada se salva nesse filme? Ora bolas, sim! A fotografia dele está impecável, os efeitos especiais idem. Capricharam muito nas maquiagens, especialmente dos alienígenas.

O uniforme ficou muito bom.

O uniforme ficou muito bom.

Este ator está em forma, não? Público feminino ama!

Este ator está em forma, não? Público feminino ama!

De todos os heróis, este foi o uniforme que foi melhor produzido! Deve ser obra da Edna Moda! rs

De todos os heróis, este foi o uniforme que foi melhor produzido! Deve ser obra da Edna Moda! rs

O traje usado pelo Lanterna também ficou muito lindo. O ator, tem um bom corpo, atlético e ficou bem com a roupa, apesar de ter uma cara de bobo e com a mascara verde, que ficou claro demais, está lembrando muito o cara que fez o Besouro verde. Mas olhando as fotos agora, noto uma certa semelhança entre Ryan Raynolds [Hal Jordan] e o Ben Stiller [Zoolander], no rosto, claro!

Dos filmes sobre heróis que estão fazendo, com toda a sinceridade, Lanterna Verde foi decepcionante e ficou devendo uma boa história. Com toda a certeza podiam ter feito algo melhor, mas não fizeram.

Hector e Hal: Um vilão medíocre para o Lanterna. E nem era o grande vilão!

Hector e Hal: Um vilão medíocre para o Lanterna. E nem era o grande vilão!

Se você quer um filme ‘Sessão da tarde’, este é o filme. Faça pipoca, vista o pijama e assista, contudo, não espere muita coisa. Mas se quer aventura e diversão, escolha outra coisa, talvez Capitão América, que aliás, foi o melhor que vi até agora, tanto em fotografia como enredo.

Kilowog: perfeito!

Kilowog: perfeito!

Não sei por que judiaram do Lanterna, mas o que teremos é uma parte dois dessa história e esperemos todos que chamem um roteirista melhor.

E isso é tudo, minha gente!

Lanterna Verde: decepção com efeitos especiais!

Lanterna Verde: decepção com efeitos especiais!

Rock OFF!

Quem é este Pokémon???

Rock ON!!!

Oi, galera, belezinha?

Enquanto preparo um texto sobre um show que fui domingo passado, espero que curtam esta imagem que garimpei no Facebook. Se você já a viu por lá, bom para você, se não viu, bom, vai ver por lá!

Achei interessante por que no Facebook sempre tem muito lixo do tipo: esta pessoa fez isso, é aquilo, curta, compartilha etc. Mas este é diferente, apela para o conhecimento cultural do indivíduo.

Posso me gabar e dizer que não sei quem são apenas 3 pessoas do bloco esquerdo, algumas tenho dúvidas, mas a maioria, sei bem quem são! Agora os caras da direita, putakeu, não faço a mínima idéia de quem sejam, mas imagino que devam ser essas celebridades céleres que povoam a mídia.

Bom, chega de blá-blá-blá! Adivinhem se puderem!

Quem é este Pokémon???

Quem é este Pokémon???

Como estou de bom humor, deixo um para ninguém ficar no zero: Stephen Hawk está nessa imagem. Aha! Achou que eu ia facilitar? Nem por um cacete! ahahaha

O Estacionamento Proibido

Rock ON!

Oi, pessoal!

Essa tira eu fiz faz tempo, está bem no rascunho, mesmo assim, espero que gostem.

Gandalf Multado

Gandalf Multado

Faltou desenhar um policial, daqueles parrudos e marrentos, como diriam meus amigos cariocas, olhando feio e intimidando o Gandalf.

Rock OFF!

O Crack

Rock ON!!!

Oi, galera.

Muito tem se falado sobre o crack ultimamente. A prefeitura de SP vem fazendo uma ação para remover uma das cracolândias. Outros estão fazendo protestos sobre como foi feito isso. E eu fiz um desenho.

Não é para que vocês riam, por que isto não tem a menor graça. O crack acaba sendo uma doença social, por que além do viciado que praticamente torna-se um zumbi e vive em função da droga, acaba desestruturando a família e os amigos do indivíduo, que acaba marginalizado e rumando para um local onde fique consumindo a droga até que esta o consuma de vez.

Em novembro estive na região próxima à Cracolândia onde houve intervensão da prefeitura. Fui quase no horário das lojas fecharem e as cenas que vi me deram muito medo, nojo e foram extremamente chocantes.

Pessoas vasculhavam sacos de lixo e comiam restos que nem cães famintos comeriam. Bebiam água suja, mendigavam dinheiro e comida. Estavam magros. Pessoas que nem mais pareciam pessoas, tão deploráveis que estavam. Pessoas que pelo vício da droga perderam toda a noção do que é ser um indivíduo.

E o que eu fiz a respeito? O que a maioria faz nessa situação: fugi de lá o mais depressa possível, com medo de algo ruim me acontecer. Quem sou eu para oferecer um tratamento a essas pessoas? Elas querem tratamento? Sabem que podem se recuperar? Perguntas sem respostas.

O que a prefeitura está tentando fazer é admirável, muito insano, mas admirável: tirar o grupo de pessoas, espalhar para dificultar a ação dos traficantes, que são os únicos beneficiados nisso tudo. O tratamento é de choque e drástico. Mas chegou num ponto que deve ser assim, creio eu. Sem violência, mesmo que para o viciado tirá-lo de seu vício seja uma violência, entramos em conflito: até que ponto essa pessoa ainda é responsável por si e até que ponto o estado deverá intervir? Mais perguntas sem respostas.

Muita gente morre por conta do Crack: seja por dívidas com o tráfico, por overdose, fraqueza ou doenças oportunistas. O crack pode estar escondido na família de qualquer um, até mesmo num primo distante, amigo, colega de trabalho, funcionário, chefe.

Isso precisa acabar. Não sei o que podemos fazer. O que eu podia fazer era chamar a sua atenção para o assunto.

Bom, é isso.

Rock OFF.

Ps.: Não ria, o assunto não tem graça alguma.

Crack: essa droga não tem graça!

Crack: essa droga não tem graça!

Bamboo: Pegando Prática.

Rock ON!!

Oi, galera!

Resolvi desenhar um pouco mais hoje. Ainda tenho dificuldades em fazer curvas e círculos. Para amenizar isso, decidi desenhar alguém com cabelos cacheados, fui fazendo e saiu o Felipe Andreoli, do Angra… ou quase um Felipe!

Como ferramenta ainda estou usando o Paint. Tentei usar o CS5, mas está tão complicada essa versão do Photoshop, que deixei de lado. Talvez eu tire e instale o Photoshop 7.0 aqui, os modernos que me perdoem, mas achei a versão nova uma porcaria! Onde já se viu um programa onde a tecla delete não tem função de apagar e que para isso tenhamos que usar um menu? Ora bolas! Fico com o Paint.

Usei um pincel bem bacana e fui misturando cores até chegar no resultado que considero como ‘satisfatório para o momento’.

Se um dia o Felipe Andreoli vir este desenho, espero que me perdoe, sinceramente, rsrs, pois não ficou lá muito parecido… talvez os brincos ou os cachos, né? ahahahah

meu quinto desenho: Felipe Andreoli... ou quase!

meu quinto desenho: Felipe Andreoli... ou quase!

Rock OFF!

O que é isso???

Rock ON!!!

Homenagem a uma das melhores bandas de todos os tempos!!!!

Rock OFF!

Feito com a Bamboo Pen. Ainda preciso melhorar muito!

Feito com a Bamboo Pen. Ainda preciso melhorar muito!

Vikings!!!!

Rock ON!!

Oi, galera, como vão?
Hoje resolvi praticar um pouco mais com a Bamboo Pen da Wacom. Confesso que estou um pouco preguiçosa para desenhar, afinal, férias e minha cabeça a mil pensando em coisas da faculdade e do trabalho, férias servem para isso? Sei lá… enfim, hoje pratiquei um pouco e como quarto desenho, fiz um viking. Usei o Paint mesmo, aquele basicão que vem com o Windows 7.

Até que o resultado não ficou ruim, né?

Agora já controlo melhor a caneta, pressão, estou mais segura e nem olho tanto pro tablet, uso mais a tela mesmo. Acho que o cérebro já está se acostumando a não depender da mão e a transmitir o desenho direto, rs. Tudo uma questão de treino no final das contas. Talento? Talvez eu tenha um pouco, para imaginar as figuras, por no papel, ou neste caso tela, mas para sair mais ou menos, tem que ter treino mesmo!

Para ajudar a praticar a manipulação da caneta, tenho usado alguns jogos. Eles ajudam a firmar o clique, arrastar, esticar, essas coisas.

Bom, é isso. Espero que gostem.

Meu quarto desenho: um viking!

Meu quarto desenho: um viking!

Poema

O noivo escreveu um poema pra noiva um pouco antes do casamento…

Que feliz sou eu, meu amor!

Já, já estaremos casados,
O café da manhã na cama,
Um bom suco e um pão torrado

Com ovos bem mexidinhos
Tudo pronto bem cedinho
Depois irei para o trabalho
E você para o mercado

Daí você corre pra casa
Rapidinho arruma tudo
E corre pro seu trabalho
Para começar o seu turno

Você sabe que de noite
Gosto de jantar bem cedo
De ver você bem bonita
Alegre e sorridente

Pela noite minisséries
Cineminha bem barato
Nada, nada de shoppings
Nem de restaurantes caros

Você vai cozinhar pra mim
Comidinhas bem caseiras
Pois não sou dessas pessoas
Que gosta de comer besteiras….

Você não acha, querida
Que esses dias serão gloriosos?
Não se esqueça, meu amor
Que logo seremos esposos!

como resposta, a noiva escreveu um poema para o noivo…

Que sincero meu amor!
Que oportunas tuas palavras!
Esperas tanto de mim
Que me sinto intimidada

Não sei fazer ovo mexido
Como sua mãe adorada,
Meu pão torrado se queima
De cozinha não sei nada!

Gosto muito de dormir
Até tarde, relaxada
Ir ao shopping fazer compras
Com o Visa tarja dourada

Sair com minhas amigas,
Comprar só roupa de marca
Sapatos só exclusivos
E as langeries mais caras

Pense bem, que ainda há tempo
A igreja não está paga
Eu devolvo meu vestido
E você seu terno de gala

E domingo bem cedinho
Prá começar a semana,
Ponha aviso num jornal
Com letras bem destacadas:

“HOMEM JOVEM E BONITO
PROCURA ESCRAVA BEM LERDA
PORQUE SUA EX-FUTURA ESPOSA
MANDOU ELE IR À MERDA!”

—-
Colaboração da minha amigona a Gislene MP.

Depois de Mulheres de Areia, Cogumelos na Areia!

Feito nas areias de Boracéia!

Feito nas areias de Boracéia!

Então, pessoal!

Fiz usando uma pinça enquanto descansava na praia de Boracéia, Litoral Norte de SP. Olha só, até descansando eu lembro de vocês, queridos leitores!

Mas por que diabos eu tinha uma pinça na praia? Tava na mochila e eu não tinha palito de sorvete.

Ok, curtam ai, divulguem. Sabe lá quando poderei fazer outro desenho desses para vocês, pois fazia 8 anos que eu não ia a praia!

Café!

Rock ON!!!

Esse esboço fiz há um tempo, numa aula. Não lembro qual, mas é bem possível que tenha sido numa sexta chatíssima do semestre passado.

Hoje surgiu um assunto no twitter enviado pelo @Felipecn, que enviou a foto de uma tampa de privada cujo preço passa da casa dos mil reais. Um absurdo se pensarmos que sua utilidade é apenas tapar o buraco por onde excretamos nossos dejetos.

Enfim, perguntei a ele se a tampa fazia café, pq isso justificaria o preço e… bem, o resto é história…

Fiquem com a tira e bom domingo para vocês!

Só falta fazer café!

Só falta fazer café!

Rock Off!

Gandalf e o Antivírus

Rock ON!!!

Um amigo me mandou uma notícia sobre pessoas que tiveram acesso ao código fonte do Symantec. Isso é ruim. Bom, acho que é muito pior eu ainda chamar a Symantec de Norton, mas enfim…

Acabei lembrando dessa tira, que aliás, tem outra em sequência. Mas depois a postarei.

Aproveitando que o código do Norton furou, segundo fofocas...

Aproveitando que o código do Norton furou, segundo fofocas...

Racunho e Ozzy

Rock ON!!!

Este papel continha o rascunho de uma ideia para o logo do Rock Me ON, uma caricatura do Ozzy Osbourn e dois desenhos aleatórios.

Tenho vários desenhos assim, feitos em papéis. Alguns eu jogo fora, mas acho que vou começar a fotografar. Aliás, tem muito papel por aqui, rs.

Rascunho e Ozzy

Rascunho e Ozzy

Desenhos em Aula Parte 2

Uma aula de JAD.

Uma aula de JAD.

Mais alguns rabiscos em sala de aula. Desta vez tem até um pouco de matéria, rs. Minha caligrafia nunca foi boa.

Ninja 1.0

Rock ON!!!

Essa é de 2005 quando fazia senai. Não lembro o que eu tinha na cabeça quando fiz esse desenho. Boa coisa não era, com certeza. Mas enfim, naquela época eu desenhava muitos ninjas.

Este é o ‘Ninja 1.0’ que fiz numa capa de apostila.

Essa é das antigas: 2005.

Essa é das antigas: 2005.

Rock OFF!

Desenho em Sala de Aula

Desenhos Aleatórios

Desenhos Aleatórios

 

Rock ON!!

 

Oi, galera! Vou começar uma série de desenhos aleatórios que fiz durante algumas aulas da faculdade em 2011. Espero que gostem!!!

Rock OFF!

%d blogueiros gostam disto: